Moraes ignora recurso do governo e arquiva processo sobre nomeação de Ramagem para PF

Thais Arbex
O ministro Alexandre de Moraes

O presidente Jair Bolsonaro reforçou nesta sexta-feira que a responsabilidade pela manutenção do fechamento do comércio em função da pandemia é de governadores e prefeitos e que, se dependesse dele, a maioria já teria retomado as atividades.

- Sabe que a decisão de fechar o comércio é dos governadores e prefeitos, não é minha. Se fosse minha, eu teria uma posição um pouco diferente da que eles estão tomando aí. Se dependesse de mim, grande parte já estaria trabalhando. Outra grande parte não teria deixado de trabalhar - disse Bolsonaro a apoiadores em frente ao Palácio do Alvorada.

Ao defender a flexibilização, Bolsonaro contou que recebeu relatos de invasão de uma prefeitura por manifestantes contrários ao isolamento social.

- Economia também é vida. Pessoa pobre, sem dinheiro está propensa a ter muitos problemas (...) Mais cedo ou mais tarde vamos ter que reabrir para não ultrapassar um limite que já está insuportável - afirmou.

O presidente não respondeu ao ser questionado sobre o recurso apresentado pela AGU para que o  Supremo Tribunal Federal (STF) reconsidere a suspensão da nomeação de Alexandre Ramagem para o comando da Polícia Federal.

Bolsonaro negou que tenha assinado decreto para ampliar novamente a lista de atividades essenciais. Mas afirmou que aguarda sugestões para fazer inclusões e brincou que retiraria os jornalistas da lista.