Moraes mantém 140 presos por atos terroristas e libera outros 60

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), começou a ananlisar 1.459 atas de audiências de custódia dos detidos por participação nos atos ataques do dia 8 de janeiro. Até o momento, ele já proferiu decisões em 200 casos: 140 detenções em flagrante foram convertidas em prisões preventivas, e 60 suspeitos foram liberados, com a aplicação de medidas cautelares.

Após atos golpistas: Ministro das Comunicações emite alerta a órgãos do setor sobre risco de ataques cibernéticos

PGR: Aras estima 200 denúncias contra golpistas nos próximos 15 dias

De acordo com o gabinete do magistrado, a expectativa é que todos os casos sejam apreciados até sexta-feira.

Em relação aos 60 suspeitos que foram soltos, Moraes considerou que até o momento não há provas de que eles tenham cometido violência, invasão dos prédios e depredação do patrimônio. Nesses casos, foram adotadas uma série de medidas cautelares, como recolhimento domiciliar no período noturno e nos fins de semana, uso de tornozeleira eletrônica e suspensão de eventual porte de armas. Eles também foram proibidos de sair do país; utilizar redes sociais e se comunicar com os demais suspeitos, entre outras determinações.

No caso dos que ficarão presos preventivamente, Alexandre de Moraes considerou que há evidências de atos terroristas, associação criminosa, abolição violenta do Estado Democrático de Direito, tentativa de golpe de Estado, ameaça, perseguição ou incitação ao crime.

"O ministro considerou que as condutas foram ilícitas e gravíssimas, com intuito de, por meio de violência e grave ameaça, coagir e impedir o exercício dos poderes constitucionais constituídos", diz nota divulgada pelo gabinete.

Todo preso em flagrante deve passar em até 24h por uma audiência de custódia, na qual um juiz analisa a necessidade ou não da prisão. No caso dos detidos pela manifestação golpista, as audiências foram realizadas por magistrados do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1) e do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT), mas a decisão sobre a manutenção ou não da prisão é de Moraes.