Moraes mantém mais de 900 pessoas presas por ataques às sedes dos Três Poderes

Bolsonaristas radicais são detidos no Palácio do Planalto

(Reuters) - Um total de 942 pessoas tiveram a prisão em flagrante convertida em prisão preventiva pelo ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), que concluiu nesta sexta-feira a análise da situação dos presos em Brasília após os ataques às sedes dos Três Poderes no dia 8 de janeiro.

Segundo o STF, foram analisadas 1.459 atas de audiência relativas a 1.406 custodiados --464 pessoas obtiveram liberdade provisória e poderão responder ao processo com a colocação de tornozeleira eletrônica entre outras medidas cautelares. As decisões estão sendo remetidas ao diretor do presídio da Papuda e ao diretor da Polícia Federal.

Moraes determinou que a Procuradoria Geral da República (PGR), a Defensoria Pública e a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) sejam intimadas para pleno conhecimento das decisões, disse o Supremo.

Nos casos em que os flagrantes foram convertidos em prisões preventivas, o ministro do STF apontou evidências do cometimento dos crimes de atos terroristas, associação criminosa, abolição violenta do Estado Democrático de Direito, golpe de Estado, ameaça, perseguição e incitação ao crime.

(Por Alexandre Caverni)