Moraes profere nova decisão que autoriza PF a divulgar operação de segurança nas eleições

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) Alexandre de Moraes proferiu uma nova decisão na manhã deste domingo autorizando a Polícia Federal a divulgar os dados da operação de segurança nas eleições.

Eleições 2022: o segundo turno da votação pelo Brasil; acompanhe

Acompanhe os resultados: Apuração do segundo turno das Eleições 2022 ao vivo

Na noite de sábado, ele havia proferido despacho determinando a "proibição de qualquer divulgação, até o encerramento do segundo turno das eleições, do resultado de operações por parte da Polícia Federal desde que relacionadas às eleições, sob pena de responsabilização criminal do diretor-geral da PF". O ministro havia atendido a um pedido de deputado do PT, que havia apontado risco de instrumentalização da Polícia Federal em prol da candidatura do presidente Jair Bolsonaro (PL) neste segundo turno.

Lula ao votar: 'Será um dia muito especial para a História do país'

Com essa determinação de sábado, a Polícia Federal e o Ministério da Justiça, que costumavam divulgar a cada duas horas um balanço de crimes eleitorais detectados e valores apreendidos, limitaram-se a publicar notas informando que estavam impedidos de veicular essas informações, em cumprimento à decisão de Moraes.

O próprio ministro da Justiça Anderson Torres compartilhou em uma rede social o primeiro balanço do MJ, que dizia: "Divulgação de dados proibida pela decisão (...) do ministro Alexandre de Moraes".

Depois disso, o presidente do TSE proferiu novo despacho dizendo que "as divulgações de resultados de operações por parte da Polícia Federal, relacionadas às eleições, não atingem o sistema Cortéx de dados de segurança, utilizado pela Polícia Federal, nem mesmo aqueles monitorados a partir do Centro Integrado de Comando e Controle".