Moraes retira delegado de inquérito que apura interferência de Bolsonaro na PF

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·1 minuto de leitura
Ministro do STF Alexandre de Moraes
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Por Ricardo Brito

BRASÍLIA (Reuters) - O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), decidiu nesta sexta-feira afastar o delegado Felipe Leal da condução do inquérito que investiga se o presidente Jair Bolsonaro tentou interferir no comando da Polícia Federal.

Na decisão, Moraes alegou que o delegado determinou quatro providências na investigação sem que tivesse qualquer relação com o escopo da investigação.

Entre os pedidos requeridos pelo delegado estavam cópia de eventuais apurações relacionadas ao senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ), filho primogênito do presidente, e cópia do procedimento que levou à exoneração do ex-superintendente da PF no Amazonas Alexandre Saraiva, que investigou o ex-ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles.

Segundo o ministro do STF, essas determinações ocorreram por ordem do atual diretor-geral da PF, Paulo Maiurino, que assumiu em abril deste ano e não tem qualquer relação com a investigação sobre a interferência na corporação.

"O presente inquérito foi instaurado, a pedido da Procuradoria-Geral da República, para apuração de supostos fatos noticiados em pronunciamento do ex-ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Fernando Moro... imputando a prática de ilícitos ao presidente da República", disse.

"Não há, portanto, qualquer pertinência entre as novas providências referidas e o objeto da investigação", reforçou.

Moraes tornou sem efeito as providências de Leal e determinou ao diretor-geral da PF que designe novo delegado para conduzir o caso.

Esse inquérito foi a primeira investigação formal contra Bolsonaro no exercício do cargo, decorrente do episódio que levou à saída do governo do ex-juiz da operação Lava Jato. Atualmente o presidente é alvo de cinco investigações perante o STF e o Tribunal Superior Eleitoral.

Procurada, a assessoria de imprensa da Polícia Federal informou que a corporação não vai se manifestar sobre a decisão.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos