Morales acusa Obama por crimes contra a humanidade

20 de setembro de 2013
Evo Morales, presidente da Bolívia, durante visita a Roma em setembro de 2013

O governo boliviano promoverá uma ação judicial internacional contra o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, por crimes contra a humanidade, anunciou nesta quinta-feira o presidente Evo Morales.

Em entrevista coletiva, Morales disse que acusará Obama por "espionagem, políticas de amedrontamento e intimidação, e por proibir o voo sobre Porto Rico" do avião presidencial do líder venezuelano, Nicolás Maduro, durante a viagem que fará à China.

"Quero comunicar que, agora, com mais força, vamos preparar uma ação internacional nos tribunais para que Obama e seu governo sejam julgados por crimes contra a humanidade", disse Morales.

"Este será o melhor instrumento legal para defender os direitos dos povos e dos Estados, porque, lamentavelmente, ele exagera com sua soberba e prepotência em seguir humilhando não apenas os presidentes e governos anti-imperialistas, mas também seus aliados, com espionagem".

"Quando não respeitam as leis internacionais, lamentavelmente devo dizer que o presidente Obama e seu governo são criminosos que atentam contra a vida, contra os direitos e contra as normas internacionais".

Mais cedo, Morales pediu "uma reunião de emergência" da Celac para abordar a decisão de Washington de fechar seu espaço aéreo a Maduro.

O presidente boliviano afirmou que defenderá na Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac) "a saída imediata dos embaixadores dos EUA".

Em julho passado, o próprio Morales foi alvo de uma decisão semelhante quando Espanha, Portugal, França e Itália negaram ao presidente boliviano a passagem por seu espaço aéreo, em sua volta da Rússia.

Os quatro países europeus bloquearam seu espaço aéreo ao avião presidencial de Morales, devido às suspeitas de que ele levava o ex-consultor de inteligência americano Edward Snowden, acusado de espionagem e considerado foragido por Washington.