Moro chega a Brasília para tratar sobre 2022 e já vê impasse em diálogo com PSL

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·7 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 24.04.2020 - O ex-juiz Sergio Moro. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 24.04.2020 - O ex-juiz Sergio Moro. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - A uma semana de se filiar ao Podemos, o ex-juiz Sergio Moro desembarcou nesta quarta-feira (3) em Brasília para reuniões políticas, mas um dos principais compromissos dos quais participaria, um jantar com deputados do PSL, acabou cancelado devido a impasses no partido.

A filiação de Moro ao Podemos está marcada para a próxima quarta-feira (10). O ex-magistrado viajou à capital federal acompanhado da presidente nacional da legenda, Renata Abreu (SP), e deve ir embora ainda nesta quinta-feira (4).

Além do jantar que teria com parte da bancada do PSL, ele se encontrou com parlamentares do Podemos.

Também reuniu-se com o senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE), que sempre foi apoiador do ex-magistrado e lançou-se como pré-candidato à Presidência da República.

Moro deixou o cargo de ministro da Justiça do governo de Jair Bolsonaro em abril do ano passado, quando pediu demissão. Neste ano, sofreu uma dura derrota no STF (Supremo Tribunal Federal), que o considerou parcial em ações em que atuou contra o ex-presidente Lula (PT).

O encontro com deputados do PSL, sigla que se fundirá ao DEM para formar a União Brasil, seria resultado de movimentos feito pelo próprio Moro.

Antes mesmo de confirmar que entraria no Podemos, o ex-ministro da Justiça de Bolsonaro fez contato com parlamentares do PSL para pedir apoio à sua empreitada política.

Moro não confirmou se disputará a Presidência da República ou uma vaga no Senado, por exemplo, mas a expectativa de siglas consideradas de centro e centro-direita é que o ex-magistrado busque brigar pelo Palácio do Planalto.

Após confirmar sua filiação ao Podemos, o ex-magistrado telefonou para o próprio presidente do PSL, Luciano Bivar, que também comandará a União Brasil, segundo o próprio dirigente. Os dois ficaram de agendar um encontro, mas uma data não foi marcada.

Deputados do partido, porém, se anteciparam e pré-agendaram um jantar nesta quarta (3), o que gerou mal-estar em parte da cúpula da União Brasil, que teme que o ato possa ser interpretado como um gesto de apoio à candidatura de Moro à Presidência da República.

"A gente ainda vai ter convenção. Não temos decisão de quem será nosso candidato. Como a gente vai jantar com esse ou aquele candidato? Não faz sentido eu almoçar com Moro ou Lula ou Bolsonaro porque pode dar a impressão de que um deles pode ser nosso candidato", disse Bivar.

"O Sergio Moro ligou pra mim dos Estados Unidos, de uma forma gentil, para nos encontrarmos, num futuro incerto marcar esse encontro."

"Mas ainda não tem encontro, é especulação de uma parte da imprensa. E ninguém do PSL vai para nenhum encontro porque seria um ato político", continuou o futuro presidente da União Brasil.

Segundo Bivar, o que pode ocorrer são encontros entre Moro e parlamentares do PSL "isoladamente".

Nos bastidores, a cúpula do PSL não descarta apoiar a candidatura de Moro à Presidência da República, mas só cogita este cenário caso o ex-magistrado se filie à União Brasil.

A avaliação compartilhada por integrantes da direção do futuro partido é que o Podemos não tem estrutura para colocar o ex-ministro competitivo na disputa pelo Planalto.

Isto é, a leitura de integrantes do PSL é que Moro não tem a força política que Bolsonaro tinha em 2018 para ter uma campanha sem tantos recursos partidários e fraca de alianças políticas.

Para se tornar competitivo, então, o ex-juiz precisaria buscar uma legenda que tenha fundo eleitoral robusto e bom tempo de televisão.

Apesar do diagnóstico, integrantes da União Brasil tratam com cautela a possibilidade de fazer um esforço para atrair Moro ao partido para se candidatar à Presidência porque querem aguardar cenários mais claros nas pesquisas eleitorais.

A intenção é observar a popularidade do ex-juiz e de outros nomes tratados como pré-candidatos pela legenda, como o ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta.

Além disso, Moro sofre resistências no DEM, partido que se juntará ao PSL, o que também poderia emperrar um eventual apoio da União Brasil ao ex-juiz.

Oficialmente, Bivar elogia a decisão de Moro de se filiar ao Podemos. "Acho que, no futuro, Moro vai avaliar o que será interessante para ele, se o ideal é ele se candidatar a esta ou àquela sigla. Mas acho que primeiro ele tem que se filiar a um partido político e se colocar", afirma o presidente do PSL.

Antes de chegar a Brasília, o ex-juiz telefonou para diversos deputados do partido, de todas as regiões. Embora ele não tenha anunciado a qual cargo ele deverá se candidatar no ano que vem, parlamentares do PSL veem com entusiasmo a chance de ele se candidatar à presidência da República.

"Quem está no espectro que quer buscar alternativas para o país não pode interdutar o diálogo com Moro, que é quem reúne as melhores condições para tirar o Bolsonaro do segundo turno", diz o deputado Júnior Bozella (SP).

Segundo aliados, Moro teve encontros isolados com parlamentares do PSL e de outras siglas.

Uma delas, na conversa que teve com o senador Alessandro Vieira, tratou do cenário político nacional e a necessidade de romper a polarização entre Lula e Bolsonaro.

"Temos um alinhamento em alguns questões, como o combate à corrupção. Ele vai ter de demonstrar conhecimento e opiniões sobre outros temas que o Brasil não conhece", disse Vieira.

Apesar de ser admirador de Moro, o senador diz que não há razão para retirar a própria pré-candidatura ao Planalto agora e diz que, se isso ocorrer, será no ano que vem, após a avaliação de quem seria uma alternativa mais competitiva ao atual e ao ex-presidente da República.

Nas conversas que teve em Brasília, Moro não afirmou se disputará mesmo o Planalto, embora tenha indicado essa intenção.

Nesta quarta, enquanto líderes na Câmara discutiam a PEC dos precatórios para abrir espaço fiscal para o novo programa social do governo Bolsonaro, Moro foi às redes sociais para criticar o drible no teto de gastos -regra que limita o aumento das despesas do governo.

"Aumentar o Auxílio Brasil e o Bolsa Família é ótimo. Furar o teto de gastos, aumentar os juros e a inflação, dar calote em professores, tudo isso é péssimo. É preciso ter responsabilidade fiscal", escreveu o ex-juiz da Lava Jato.

Mais cedo, ao desembarcar ba capital federal, Moro se deparou com um ato contra a PEC da reforma administrativa do governo e foi hostilizado por manifestantes. Vídeos que circulam nas redes sociais mostram quando ele foi chamado de "lixo" e "vendido". O grupo, que estava no aeroporto para receber parlamentares com o protesto e distribuía suco de laranja, também entregou uma garrafinha ao ex-juiz, que recusou.

A dificuldade de Moro de ter um diálogo fluido com o PSL é apenas um dos entraves que ele deverá enfrentar se decidir mesmo disputar um cargo eletivo no ano que vem.

Isso porque Moro é rejeitado pela oposição a Bolsonaro, principalmente entre a esquerda, e por políticos considerados tradicionais, que viram na atuação de Moro na Lava Jato oportunismo político e o tratam como inconfiável.

Quando juiz titular da 13ª Vara Criminal de Curitiba, Moro foi o responsável pela condenação de diversos políticos da Lava Jato, entre eles o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Neste ano, o ex-magistrado viu as penas que impôs ao ex-presidente da República anuladas pelo STF (Supremo Tribunal Federal), o que configurou forte derrota à sua carreira como magistrado.

Em maio, dois meses após o Supremo rever suas sentenças, Moro apareceu no Datafolha com 7% das intenções de voto, empatado tecnicamente com Ciro Gomes (PDT), que tinha 6%. A perfomance nas pesquisas deverá ser decisiva para o ex-juiz definir seu futuro político.

Por ora, o ex-ministro da Justiça tem contrato até o final do ano com a empresa de consultoria em compliance Alvarez & Marsal, e não deve renovar o vínculo.

Antes de retornar a Brasília, em novembro, no início de outubro, Moro, que vive em Washington (EUA), já havia estado no Brasil para uma rodada de conversas políticas.

A decisão do ex-magistrado de se dedicar à política é lida por integrantes do Podemos e outros apoiadores da Lava Jato como uma forma de Moro defender o legado da operação.

Caso opte por disputar a presidência da República, ele se juntará a outros nomes que fazem parte da busca pela terceira via à polarização de Lula e Bolsonaro, encampada por alguns partidos.

Já foram lançados no tabuleiro como pré-candidatos o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), e a senadora Simone Tebet (MDB-MS), por exemplo.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos