Moro condena Cunha a 15 anos de prisão por corrupção, lavagem de dinheiro e evasão de divisas

Ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha é escoltado por policiais federais ao deixar o IML de Curitiba 20/10/2016. REUTERS/Rodolfo Buhrer

(Reuters) - O ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha foi condenado a 15 anos e 4 meses de prisão, além de multas, pelo juiz Sérgio Moro, responsável pela operação Lava Jato.

Em sentença de mais de 100 páginas, Moro condenou Cunha por um crime de corrupção passiva, por três crimes de lavagem de dinheiro e por dois crimes de evasão de divisas.

Para o crime de corrupção, "pela solicitação e recebimento de vantagem indevida no contrato de aquisição pela Petrobras dos direitos de exploração do Bloco 4 em Benin", Cunha foi condenado a seis anos de reclusão.

Por lavagem de dinheiro a condenação foi de cinco anos e 10 meses de prisão e por evasão de divisas o ex-deputado foi sentenciado a três anos e seis meses de prisão.

Cunha foi preso em outubro do ano passado na Lava Jato, em fatos relacionados à aquisição de um campo exploratório de petróleo em Benin, na África, pela Petrobras, no ano de 2011. A propina paga a ele teria sido depositada em uma conta secreta na Suíça. Cunha teve o mandato parlamentar cassado depois de renunciar à presidência da Casa.

Como presidente da Câmara, Cunha aceitou o pedido de impeachment que acabou levando à cassação do mandato da então presidente Dilma Rousseff.

A defesa de Cunha já avisou que vai recorrer ao Tribunal Regional Federal.

(Por Alexandre Caverni; Edição de Raquel Stenzel)