Moro deu à PF diálogos dos últimos 15 dias com Bolsonaro e disse que cabe ao presidente explicar interferência

Aguirre Talento
Moro em pronunciamento no qual anunciou sua demissão do governo Bolsonaro, no último dia 24

BRASÍLIA - Em seu depoimento prestado no sábado, o ex-ministro Sergio Moro afirmou aos investigadores que cabe ao presidente Jair Bolsonaro esclarecer os motivos de suas tentativas de interferência na Polícia Federal e reiterou as acusações feitas em seu pedido de demissão, no último dia 24. Os diálogos entregues pelo ex-ministro à PF se referem apenas ao período dos últimos 15 dias em que manteve contato com Bolsonaro.

O ex-ministro confirmou que uma das preocupações do presidente eram inquéritos em curso no Supremo Tribunal Federal (STF). Ao prestar depoimento, Moro entregou seu celular para a PF extrair cópias das conversas relevantes para a investigação. O ex-ministro, entretanto, não guardava diálogos antigos, por ter receio de ser alvo de novos ataques hacker.

Leia também: