Moro diz que 'jamais concorreria contra Bolsonaro' em eleição

Moro afirmou que 'jamais concorreria' com o presidente Jair Bolsonaro em eleições. (Foto: Reuters/Adriano Machado)

RESUMO DA NOTÍCIA

  • Em entrevista, Moro desconsiderou a hipótese de concorrer em uma eleição ‘num futuro próximo’

  • O ministro da Justiça refutou qualquer possibilidade de enfrentar o presidente em um pleito

O ministro da Justiça, Sergio Moro, declarou que acha “improvável” concorrer a algum cargo público em futuras eleições. Questionado, Moro afirmou ainda que “jamais concorreria contra o presidente” Jair Bolsonaro (PSL). As declarações foram dadas durante entrevista ao programa Poder em Foco, do SBT, exibido na madrugada desta segunda-feira (21).

"Fui convidado a participar do governo Jair Bolsonaro, estou como ministro da Justiça, realizando esse trabalho no âmbito da política do governo. O presidente manifestou o desejo de buscar a reeleição, se isso acontecer mesmo, evidentemente, eu tenho um dever até de lealdade. Eu não tenho esse perfil político-partidário", afirmou Moro.

Leia também

Perguntado se consegue se ver em algum cargo público em eleição, Moro disse que não vê a possibilidade no momento, mas não descarta para o futuro.

"Acho improvável, agora, o futuro é distante. Agora, certamente, jamais concorreria contra o presidente Bolsonaro. Se ele for realmente candidato à reeleição, mas como se diz, não existe nenhum demérito na política, a política é uma das atividades mais nobres, tem que se ter um determinado perfil", afirmou.

BOLSONARO

O presidente desembarcou, também na madrugada desta segunda-feira (21), no Japão, iniciando uma viagem de mais de dez dias que fará pelo continente asiático. Ao todo, o presidente ficará três dias na capital japonesa.

Além da cerimônia de ascensão do imperador Naruhito, na terça-feira (22), ele terá reuniões bilaterais com o primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, e com o presidente da Ucrânia, Volodimir Zelenski, e encontros com empresários brasileiros e japoneses.

Além do Japão, o presidente visitar a China, a Arábia Saudita, os Emirados Árabes e o Catar. Nos demais países, o foco será melhorar a relação comercial com as nações asiáticas e aumentar o comércio de de proteína animal.