Coronavírus: Moro diz ser contra libertação de presos

Leandro Prazeres, Gustavo Maia, Daniel Gullino e Marcello Corrêa
Libertação de presos deixaria população vulnerável, disse Moro. (Foto: MAURO PIMENTEL / AFP)

O ministro da Justiça e da Segurança Pública, Sergio Moro, disse nesta quarta-feira ser contra a liberação de presos como medida para evitar os impactos da chegada do novo coronavírus à população carcerária do país. Ele disse que medidas como essa deixariam o "restante da população" vulnerável.

E nos siga no Google News:

Yahoo Notícias | Yahoo Finanças | Yahoo Esportes | Yahoo Vida e Estilo

“A minha compreensão é que (esse problema) não se resolve (com a liberação de presos). Seria uma solução simplista abrir as portas das prisões já que isso deixaria vulnerável o restante da população.  Tudo isso tem que ser feito com muito cuidado”, afirmou o ministro.

Leia também:

A declaração acontece no mesmo dia em que a Câmara de Sistema Prisional e Controle Externo da Atividade Policial do Ministério Público Federal (MPF) divulgou uma recomendação aos sistemas penitenciários estaduais sugerindo medidas como a concessão de prisão domiciliar para detentos do regime aberto, semiaberto e aqueles que que foram presos por inadimplência da pensão alimentícia.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

A recomendação também prevê a aplicação de medidas alternativas à prisão para presos que estejam no grupo de risco para a covid-19, segundo o Ministério da Saúde. Esse grupo engloba cardiopatas, portadores de tuberculose e do HIV.

Além do MPF, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Marco Aurélio Mello, recomendou a juízes que analisem com urgência a situação de presos de grupos de risco para a covid-19.