Moro manda PF investigar inclusão de homônimo de Helio Negão em apuração no Rio

DANIELA LIMA
***ARQUIVO***BRASILIA, DF, 01.02.2019: O deputado Hélio Negão (PSL-RJ) durante solenidade de posse em Brasília. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O ministro Sergio Moro (Justiça) determinou que a Polícia Federal investigue a informação, revelada pela Folha de S.Paulo, de que o Helio Negão que é alvo de uma apuração da superintendência do órgão no Rio é, na verdade, um homônimo do deputado federal que é amigo e filiado ao partido de Jair Bolsonaro.

No ofício, endereçado à Direção Geral da PF, Moro pede a “imediata apuração dos fatos no âmbito administrativo e criminal, com a identificação dos responsáveis”. O ministro chega a dizer que houve “aparente inclusão fraudulenta do nome do Deputado Federal Hélio Negão em inquérito que tramita perante a Polícia Federal do Rio de Janeiro”.

As notas publicadas pela Folha de S.Paulo na segunda (9) informavam que a cúpula da PF já havia sido avisada de que o Helio Negão que é alvo de investigação da Superintendência do órgão no Rio seria, na verdade, um homem que já morreu, e não o deputado homônimo, amigo de Bolsonaro.

A informação despertou desconfiança de que tal a apuração só foi aberta para desgastar Ricardo Saadi, agora ex-superintendente da unidade do Rio. A cúpula da PF vê no caso Hélio Negão a movimentação de um grupo dentro do órgão que está interessado em assumir o comando da unidade no estado.