Moro não descarta participar do governo Bolsonaro, diz jornal

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Cassiano Rosário/Futura Press
Cassiano Rosário/Futura Press

O juiz federal Sergio Moro, responsável pelos processo da Lava Jato em Curitiba, não descarta aceitar um convite do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) para assumir o Ministério da Justiça e aceitaria a indicação para o Supremo Tribunal Federal (STF).

De acordo com reportagem do jornal O Globo, o magistrado disse a interlocutores que a vantagem de integrar a equipe do presidente eleito seria afastar o medo de algum tipo de quebra do Estado Democrático de Direito.

Leia mais:

Aliados de Bolsonaro no Congresso querem votar agenda conservadora já

Lula recomenda calma ao PT e pede apoio a Haddad

‘Quem não votou em mim não será perseguido’, diz Bolsonaro

Caso nenhum ministro decida se aposentar antes, a primeira vaga no STF só será aberta em 2020, quando Celso de Mello completa 75 anos, idade em que os ministros têm que obrigatoriamente deixar o cargo.

Durante a campanha eleitoral, Moro não manifestou preferência por Bolsonaro, mas afirmava a interlocutores que a volta do PT seria inaceitável por causa do esquema de corrupção desmontado pela Lava Jato.

Em entrevista ao Jornal Nacional, o presidente eleito disse que ainda não procurou o juiz, mas ressaltou que quer agendar a conversa em breve.

O juiz Sergio Moro é um símbolo aqui no Brasil (…) É um homem que tem que ter o trabalho reconhecido. Pretendo conversar com ele brevemente, e já foi feita a sinalização positiva. Pretendo convidá-lo para o Ministério da Justiça ou – seria no futuro – abrindo uma vaga no Supremo Tribunal Federal, na qual melhor ele achasse que poderia trabalhar para o Brasil. Um homem com passado exemplar no combate à corrupção e em qualquer uma das duas casas ele levaria avante sua proposta”, afirmou.

Procurado pela “Folha de S. Paulo” para falar sobre as declarações do presidente eleito, o magistrado preferiu não falar. “Não tem comentário. Vou ficar devendo”, disse.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos