Procuradores da Lava-Jato acusam Sergio Moro: 'Viola sempre o sistema'

Em novas mensagens vazadas, procuradores da Lava-Jato questionaram arbitrariedade de Sergio Moro (Foto Evaristo Sá/AFP/Getty Images)

RESUMO DA NOTÍCIA

  • Em novas mensagens vazadas pelo The Intercept Brasil, até os membros da Lava-Jato mais próximos de Sergio Moro criticaram sua entrada para o governo Bolsonoro.

  • Procuradores temiam que isso indicasse parcialidade da operação para opinião-pública e criticaram decisões do juiz para atender agenda pessoal.

Os procuradores da Lava-Jato se mostraram incomodados com as decisões arbitrárias de Sergio Moro e consideraram que o ministro estava atendendo uma agenda política e pessoal, conforme mostraram novas mensagens vazadas. As informações foram publicadas pelo The Intercept Brasil na madrugada deste sábado (29).

“Moro viola sempre o sistema acusatório e é tolerado por seus resultados", disse a procuradora da Lava-Jato, Monique Checker, em 2018, durante período eleitoral. Na conversa, os integrantes da força-tarefa se referiam aos boatos que o então juiz federal seria ministro de Jair Bolsonaro.

Leia também

Um dia antes, do anúncio, em 31 de outubro, a procuradora Laura Tessler criticou a possibilidade. “Além de ele não ter poder para fazer mudanças positivas, vai queimar a LJ. Já tem gente falando que isso mostraria a parcialidade dele ao julgar o PT. E o discurso vai pegar. Péssimo. E Bozo é muito mal visto."

As mensagens vazadas de grupo de integrantes da Lava Jato também mostram que até Deltan Dallagnol - atual coordenador da força-tarefa e alvo dos vazamentos - e o decano do grupo, Carlos Fernando dos Santos Lima, ambos íntimos de Moro, preferiam que ele não integrasse o atual governo.

“Temos uma preocupação sobre alegações de parcialidade que virão. Não acredito que tenham fundamento, mas tenho medo do corpo que isso possa tomar na opinião pública", escreveu Dallagnol em 6 de novembro do ano passado, dias após Moro ter aceito o convite para assumir o ministério da Justiça.

Entenda o caso das mensagens vazadas pelo ‘Intercept’

A série de reportagens do ‘Intercept’ começou no dia 9 de junho, um domingo. Na primeira leva de matérias, o site divulgou uma série de mensagens trocadas entre Moro e Dallagnol.

Nessa primeira leva, as acusações contra Moro ficaram por conta de um suposto direcionamento que ele dá para a Lava Jato internamente. Entre outros, o portal apresenta mensagens que mostrariam que Dallagnol duvidada de provas contra Lula, além de colaboração proibida do então juiz com o procurador.

Mais tarde, em 14 de junho, o ‘Intercept’ seguiu suas publicações com mais material contra Moro. Nas novas mensagens divulgadas, há um diálogo horas depois do primeiro depoimento prestado por Lula à Lava Jato.

Neste diálogo, Moro teria proposto ao Ministério Público a publicação de uma nota à imprensa. Nela, haveria conteúdo que esclarecesse o que Moro chama de “contradições” do ex-presidente, no que ele se refere como um “showzinho” da imprensa.

“Vem muito mais por aí”

Em entrevista exclusiva ao Yahoo, o jornalista Glenn Greenwald afirmou que os conteúdos divulgados até então eram “apenas o começo”.

Moro não pode dizer que a reputação dele foi destruída. Mas a aprovação dele caiu dez pontos e ainda vem muito mais coisa por aí, a máscara dele [Moro] vai ser derrubada”, afirmou o jornalista na oportunidade.

Defesa apelou, mas STF manteve Lula preso

Houve a percepção, por parte da defesa do ex-presidente, de que as mensagens divulgadas pelo ‘Intercept’ poderiam ajudar a tirá-lo da cadeia.

O STF decidiu, então, julgar dois habeas corpus pedidos pela defesa de Lula, sendo um deles relativo a Moro e que havia tido sua votação suspensa após pedido de vista do ministro Gilmar Mendes.

Foi o próprio Gilmar que, no início deste novo julgamento, na terça (25), pediu que os ministros considerassem a hipótese de, em caso do HC relativo às acusações contra Moro não fosse julgado, o ex-presidente pudesse esperar o julgamento terminar em liberdade.

Os ministros adiaram a votação do HC por entenderem que a série de mensagens ainda não havia terminado e, com isso, não se podia a chegar a nenhuma conclusão sobre possível uso da Lava Jato por parte de Moro contra Lula. Negaram, no entanto, a liberdade proposta por Gilmar e também pela defesa.

Greenwald foi à Câmara e reiterou que Moro chefiava Lava Jato

Na mesma terça (25) em que a defesa de Lula apelava pela liberdade do ex-presidente no STF, Greenwald esteve na Câmara dos Deputados para responder perguntas dos congressistas.

Em audiência na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados, o jornalista a autenticidade do material recebido de uma fonte anônima, fazendo questão de confirmar novamente a autenticidade do material.

"O material já mostrou e vai continuar mostrando que Moro era o chefe da força-tarefa da Lava Jato, que era o chefe dos procuradores. Ele [Moro] está o tempo todo mandando o que os procuradores deveriam fazer e depois entrando no tribunal e fingindo que era neutro. Já mostramos isso, mas vai ter muito mais material ainda", declarou o jornalista no dia.

A audiência pública na Câmara dos Deputados teve a presença principalmente de parlamentares da oposição.

Uma das poucas aliadas de Moro que falaram foi a deputada Policial Katia Sastre (PL-SP), que disse que Greenwald deveria ser preso. "Quem deveria ser julgado e condenado e sair daqui preso é o jornalista, que em conjunto com o hacker cometeu crime", disse a parlamentar.