Morre Antônio Carlos de Almeida Braga, empresário e incentivador do esporte

O Globo
·2 minuto de leitura
Ivo Gonzalez/10-03-2010

RIO - Um dos maiores incentivadores do esporte brasileiro morreu nesta terça-feira, aos 94 anos, em Portugal. O ex-banqueiro Antônio Carlos de Almeida Braga, o Braguinha, foi dono de uma das mais importantes seguradoras do Brasil, a Atlântica Seguros, que depois se fundiu com a Bradesco Seguros.

O empresário estava em uma quinta em Sintra, em Portugal, desde o início da pandemia. E apresentava saúde fragilizada nos últimos meses.

Ele era considerado um dos grandes incentivadores de ídolos esportivos. Foi amigo do campeão da Fórmula 1, Ayrton Senna. Também foi patrocinador de Emerson Fittipaldi desde o início de sua carreira no esporte. Também patrocinou o campeão do tênis Gustavo Kuerten, o Guga.

Em uma entrevista, ele foi perguntado se havia algum esporte de que não gostasse. Após hesitar, afirmou sem muita convicção: "críquete".

"Braguinha é um patrimônio do esporte nacional. O que ele fez pelo esporte brasileiro desde antes mesmo de começar a Fórmula 1... O apoio, a paixão, o patrocínio, a motivação, o que ele fez pelo esporte brasileiro é fantástico. Me ajudou, como ajudou outros atletas, muitos clubes e confederações”, disse Fittipaldi ao Sportv em 2014.

Era amigo de Pelé, a quem ajudou. O ídolo do futebol o presenteou com a chuteira do gol número mil.

"Ele me adotou. Tudo que ele podia, ele fazia por nós", disse Pelé, em declaração exibida pelo Jornal Hoje.

Do futebol, se manteve próximo do Fluminense, onde investiu para trazer Rivelino ao clube em 1975: “As poucas vezes que eu ajudei, procurei não me envolver. Quando o Rivelino foi para lá, era preciso uma importância para completar a compra do passe. Eu dei, mas dado", contara na mesma entrevista.

Em nota, o clube escreveu nas redes sociais que lamentava a morte de seu sócio benemérito. "Ao longo de sua vida prestou inúmeros serviços ao clube e ao esporte brasileiro", escreveu o clube.

Antônio Carlos de Almeida Braga foi casado com Sylvia Maria da Glória de Mello Franco Nabuco, mais conhecida como Vivi Nabuco, com quem teve quatro filhos: Maria do Carmo, Luis Antônio, Sylvia e Lúcia. Em 1968, casou-se com Luíza Eugênia Konder, com quem teve duas filhas, Maria e Joana.

O velório e o enterro do empresário serão em Portugal.