Morre aos 78 anos o médico Hesio Cordeiro, um dos idealizadores do SUS

O Globo
·3 minuto de leitura
Divulgação/ Flaviano Quaresma/Abrasco
Divulgação/ Flaviano Quaresma/Abrasco

RIO — O médico sanitarista e professor Hesio de Albuquerque Cordeiro morreu no domingo, aos 78 anos, no Rio de Janeiro. Mineiro de Juiz de Fora, Cordeiro é considerado um dos idealizadores do Sistema Único de Saúde (SUS) do Brasil. O médico coordenou em 1986 a VIII Conferência Nacional de Saúde, que consagrou a reforma sanitária e que viria a constituir princípios fundamentais do sistema. O médico sofria de uma doença degenerativa e não deixa filhos.

Em nota, a Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), onde o médico se formou, foi professor e reitor, informou que toda a comunidade acadêmica está "consternada" com o falecimento do profissional. "A ciência, a saúde pública e a educação brasileiras lamentam a partida de um de seus grandes intelectuais", dizia o comunicado.

A Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco) também demonstrou pesar pela morte de Cordeiro. O médico foi presidente da instituição entre os anos de 1983 e 1985. Para a atual presidente da Abrasco e professora do IMS/Uerj, Gulnar Azevedo e Silva, Cordeiro é "Mestre de uma geração de sanitaristas que lutaram e lutam pelo direito universal à saúde, por um país melhor, por uma vida digna para todas e todos".

"A lembrança será sempre a do Hesio que tratava todo mundo com o mesmo carinho e respeito, que abria as portas do Instituto de Medicina Social para qualquer estudante iniciante recém-chegado à Universidade querendo conhecer o que é Medicina Social. (...) Foi assim que tive a sorte de conhecê-lo e acabei sendo totalmente desviada das especialidades médicas e tornei-me sanitarista. Foi assim que vi que o Brasil precisava de mais gente deste lado, do lado dos que pensam naqueles que não têm vez, que não têm oportunidade. (...)Amigo e solidário; democrático no convívio e na ação institucional e pública. Um grande mestre em sentido pleno. Temos muito que agradecer ao nosso querido professor e grande sanitarista", ressaltou Gulnar em comunicado.

Relembre a trajetória do médico

Cordeiro graduou-se em medicina pela Faculdade de Ciências Médicas da Universidade do Estado da Guanabara, atual Uerj. Em 1965, cursou mestrado na instituição em 1978 completou o doutorado na Universidade de São Paulo, em 1981. Foi professor por 25 anos no Instituto de Medicina Social (IMS/Uerj) e dirigiu a unidade entre 1983 e 1984.

Entre 1971 e 1978 trabalhou como consultor da OPAS para atividades de organização de serviços de saúde, tecnologia e recursos humanos. Atuando em países, como Argentina, Peru, Equador, Venezuela, Costa Rica, Nicarágua, Honduras, México e República Dominicana. De 1983 a 1985, presidiu a Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco), onde se destacou em defesa do Movimento pela Reforma Sanitária Brasileira.

O médico foi ainda presidente do Instituto Nacional de Assistência Médica e Previdência Social, que exerceu de 1985 a 1988. Foi responsável pela reestruturação do órgão e pela implantação dos Sistemas Unificados e Descentralizados de Saúde. Hélio foi reitor da Uerj entre de 1992 a 1995. No ano seguinte, após se aposentar pelo IMS, tornou-se coordenador de saúde da Fundação Cesgranrio e assessor técnico do Ministério da Saúde para o Programa de Saúde da Família.

Em 1999 foi secretário de Educação do estado do Rio de Janeiro. De 2000 a 2006 dirigiu o Centro de Ciências Biológicas e da Saúde da Universidade Estácio de Sá, onde atuou desde 2004, como coordenador de cursos de pós-graduação em saúde da família. Em 2007 foi nomeado diretor de gestão da Agência Nacional de Saúde Suplementar pelo presidente Luís Inácio Lula da Silva, para um mandato de três anos. Em 2015, o médico recebeu o título de Doutor Honoris Causa da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).