Morre aos 80 anos o italiano Germano Celant, criador do termo 'arte povera', vítima do novo coronavírus

Morreu nesta quarta-feira, aos 80 anos, em decorrência do novo coronavírus, o italiano Germano Celant, historiador, crítico e curador de arte que criou o termo "arte povera", que classifica um movimento artístico surgido na Itália na década de 1960. Ele estava internado no hospital San Raffaele, em Milão.

Celant trabalhava na Fundação Prada desde 1995. Lá desenvolveu as funções de diretor artístico e superindentente científico, promovendo diversos projetos culturais.

"Arte povera", ou arte pobre, em português, classifica um movimento surgido na Itália na década de 1960 entre artistas que utilizavam materiais não convencionais para conceber pinturas, esculturas e instalações, como areia, madeira, sacos, jornais, cordas e farrapos. Alighiero Boetti, Jannis Kounellis e Pino Pascali estão entre os nomes que encabeçaram o movimento. Michelangelo Pistoletto, outro artista ícone do grupo, também foi diagnosticado com Covid-19 mas já teria recebido alta, segundo informe da sua fundação.