Morre aos 98 anos a atriz Eva Todor, no Rio

1 / 1
Atriz Eva Todor morre aos 98 anos no Rio

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A atriz Eva Todor morreu na manhã deste domingo (10), aos 98 anos,em casa, no Rio de Janeiro, devido a uma pneumonia. A atriz era viúva e não deixa filhos. O velório está marcado para esta segunda (11), das 9h às 11h, no Teatro Municipal do Rio. De lá, a cerimônia continuará no Memorial do Carmo, até às 16h.

No começo do ano, a atriz já havia sido internada, no Rio, pelo mesmo motivo.

Ela sofria de Mal de Parkinson e Alzheimer, além de problemas cardíacos, e estava afastada das televisão desde 2012. Seu último trabalho foi na novela "Salve Jorge", da Globo, mas desde 2010 vinha fazendo apenas participações especiais.

Nascida em Budapeste, em 1919, a atriz Eva Todor veio para o Brasil ainda menina, fugindo, ao lado da família, da Europa após a Primeira Guerra Mundial. No Brasil, se dedicou primeiro ao balé, dança que já praticava na Hungria, antes de atuar. Aos nove anos já havia se apresentado em espetáculos de dança no Theatro Municipal de São Paulo.

Passou primeiro pelo teatro e depois começou carreira no cinema, tendo estreado em "Os Dois Ladrões" (1960), onde atuou ao lado de Oscarito. No ano seguinte, foi contratada pela TV Tupi. Em seguida, assinou com a Globo, onde esteve em diversas novelas e minisséries.

Foi escalada para participar de "Roque Santeiro" (na versão de 1975) e esteve "Sétimo Sentido", "Partido Alto" "Hilda Furacão", Top Model", "Suave Veneno" e "O Cravo e a Rosa", entre outras obras.

Sua estreia na TV, na prática, aconteceu ao dar vida a Kiki Blanche, em "Locomotivas" (1977), primeira novela colorida da faixa das 19h. "Ela era a dona de um cabeleireiro e tinha sido vedete. Eu entrei, agradou. E nunca mais saí", disse a atriz em depoimento ao site "Memória Globo", em 2009, sobre seu início de carreira, que completou 80 anos.

Na TV, sua especialidade era o chamado "gênero Eva", um humor fino, que virou sua marca registrada.

Entre suas condecorações, em 1969, conquistou o Prêmio Molière, de melhor atriz, por ter atuado na peça "De Olho na Amélia", de Georges Feydeau.

Eva teve dois casamentos. Primeiro foi com o diretor de teatro Luis Iglesias, com quem ficou durante 26 anos. Depois com o engenheiro e empresário Paulo Nolding. O casamento durou 28 anos, até a morte dele. Quando ficou viúva pela segunda vez, decidiu se dedicar apenas à TV. "Depois que meu segundo marido morreu, eu fiquei muito desorientada. E a Globo, muito atenta, me chamou para fazer Top Model, para eu não ficar muito aflita", lembrou ao "Memória Globo".

De acordo com o Ministério da Cultura, ela se naturalizou brasileira, a convite de Getúlio Vargas. Na década de 1940, o então presidente a assistiu em uma peça, no Rio, ficou encantado e, no camarim, perguntou à atriz se ela queria ser naturalizada, o que ocorreu logo depois.

PRINCIPAIS TRABALHOS

Na TV:

"Locomotivas", onde viveu Kiki Blanche

"Coração Alado"

"Sétimo Sentido"

"Partido Alto"

"Top Model"

"Hilda Furacão"

"Suave Veneno"

"O Cravo e a Rosa", onde interpretou Dona Josefa, popular com os fãs

"América"

"Caminho das Índias"

"Salve Jorge", como Dália, seu último personagem em novelas

No cinema:

"Os Dois Ladrões"

No teatro:

"De Olho na Amélia"