Morre Arturo Di Modica, autor do Touro de Wall Street, aos 80 anos

O GLOBO com agências internacionais
·2 minuto de leitura

O escultor siciliano Arturo Di Modica, autor do famoso touro de bronze símbolo de Wall Street, em Nova York, morreu na madrugada deste sábado, aos 80 anos, em sua casa em Vittoria, no sul da Sicília. De acordo com o jornal italiano La Repubblica, Di Modica foi vítima de um câncer contra o qual lutava há anos.

O escultor siciliano é conhecido, sobretudo, pela imponente escultura de touro de bronze de 3,2 toneladas instalada no coração financeiro de Nova York. Intitulada "Charging Bull", a peça foi produzid pelo artista com recursos próprios. À época, ele gastou mais de US$ 350 mil.

O touro foi posicionado ilegalmente em frente à Bolsa de Valores de Nova York, após a quebra de 1987, como um símbolo da "força e poder do povo". Em dezembro de 1989, Di Modica transportou a escultura em um caminhão até Lower Manhattan e a deixou sob uma árvore de Natal. Depois de algumas semanas de uma verdadeira guerrilha artística, o touro foi finalmente aceito pela cidade. Mais tarde, encontrou sua localização atual, ao norte do Parque Bowling Green, no cruzamento da Broadway.

O "Charging bull" é uma das obras mais fotografadas da cidade de Nova York. Diz a lenda que coçar o focinho e agarrar seus chifres ou testículos traz boa sorte.

Em 2017, Di Modica entrou com uma ação judicial contra a instalação da estátua da "Menina Destemida" em frente ao touro de bronze, que havia sido permitida pela prefeitura de Nova York. Na opinião do escultor, a obra de Kristen Visbal, colocada no Bowling Green Park no Dia Internacional da Mulher, mudava o significado de "Charging bull" e violava seus direitos autorais.

À época, o escultor argumentou que imaginava sua estátua como um símbolo positivo, que teria sido subvertido pela chegada da menina corajosa. Segundo ele, a outra peça tornava seu touro um vilão.