Morre Carlito Carvalhosa, renovador da pintura na Casa Sete e herdeiro minimalista

·1 minuto de leitura
**ARQUIVO**SÃO PAULO, SP, 09-06-2018: O artista plástico Carlito Carvalhosa. (Foto: Zanone Fraissat/Folhapress)
**ARQUIVO**SÃO PAULO, SP, 09-06-2018: O artista plástico Carlito Carvalhosa. (Foto: Zanone Fraissat/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O artista plástico Carlito Carvalhosa morreu nesta quinta-feira (13), aos 59 anos, em São Paulo. Ele sofria de câncer no intestino.

Nascido em 1961 em São Paulo, Carvalhosa estudou na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo e produziu uma série de esculturas, pinturas, gravuras e instalações ao longo da carreira.

O artista já esteve nas bienais de São Paulo, Havana e do Mercosul. Expôs trabalhos na Pinacoteca, no MAC, ambos na capital paulista, e no MoMA, em Nova York.

Luis Pérez-Oramas, curador da mostra do MoMA e autor de um livro sobre a obra e vida de Carvalhosa, o classificava como um herdeiro dos ideais plásticos de Hélio Oiticica.

Na década de 1980, o paulistano integrou o grupo Casa Sete, ateliê que reunia jovens artistas, que eram amigos e tinham propósitos estéticos em comum. O grupo contava com nomes como Paulo Monteiro, Fábio Miguez, Nuno Ramos e Rodrigo Andrade.

Entre os anos de 1989 e 1992, Carvalhosa morou na Alemanha, onde fez intercâmbio com uma bolsa de estudos que ganhou do Deutscher Akademischer Austauch Dienst.

O corpo do artista plástico será cremado no Cemitério Horto da Paz, em São Paulo, na sexta, às 17 horas.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos