Morre de covid-19 o 'Capitão Tom', herói centenário do confinamento na Inglaterra

·3 minuto de leitura
(ARQUIVO) O capitão Tom Moore mostra o capitão Tom Moore acenando em uma passagem aérea pelos aviões do Memorial da Batalha da Inglaterra para comemorar seu 100º aniversário em Marston Moretaine

O capitão Tom Moore, um ex-veterano de guerra que aos 100 anos se tornou um herói do primeiro bloqueio na Inglaterra ao levantar mais de 30 milhões de libras para o serviço de saúde, morreu de COVID-19, relatou sua família na terça-feira (02).

Uma fotografia do idoso com seu paletó coberto de medalhas, publicada em sua conta oficial no Twitter, junto com a menção "Capitão Sir Tom Moore 1920-2021", serviu para anunciar a morte após se saber há poucos dias que ele havia contraido a doença.

Nomeado coronel honorário quando fez 100 anos em 30 de abril, Moore "se tornou não apenas uma inspiração nacional, mas um raio de esperança para o mundo", disse o primeiro-ministro Boris Johnson em um comunicado, homenageando um "herói no verdadeiro sentido do termo".

Com quase 107.000 mortes por covid-19, o Reino Unido é o país mais castigado da Europa pela pandemia e está em seu terceiro confinamento.

Veterano da Segunda Guerra Mundial, o “Capitão Tom” arrecadou em abril a soma inédita de 33 milhões de libras (cerca de 42 milhões de dólares na época), oficialmente reconhecida como recorde individual pelo Guinness, ao dar 100 voltas em seu jardim , por vários dias, ajudado por seu andador.

Tudo começou três semanas antes, quando ele começou a arrecadar 1.000 libras para associações ligadas ao serviço público de saúde britânico NHS.

Seu desafio chocou um país confinado pela primeira vez e gerou um fluxo sem precedentes de doações.

A Rainha Elizabeth II enviou "uma mensagem privada de condolências" à família, anunciou o Palácio de Buckingham.

"Os pensamentos da rainha e da família real estão com a família do capitão Sir Tom Moore", disse ele no Twitter.

Apesar de toda a investidura real que aconteceria em junho e julho passado ter sido adiada devido à pandemia, a monarca abriu uma exceção em 17 de julho para nomear cavaleiro este homem cativante que conquistou os corações dos britânicos.

Foi o primeiro compromisso público de Elizabeth II desde que ela ficou isolada em março no Castelo de Windsor com seu marido, o príncipe Philip, de 99 anos.

O falecimento de Moore provocou uma onda de homenagens - o mítico estádio de Wembley deve ser iluminado hoje à noite em sua honra -, assim como aconteceu em seus 100 anos.

Naquela ocasião, dois aviões da Royal Air Force, geralmente usados para atos comemorativos da Segunda Guerra Mundial, voaram em sua homenagem no céu de Bedfordshire, cidade onde morava no norte de Londres.

"Nunca em minha vida esperei por algo assim", disse ele emocionado.

Seu nome foi dado a um trem de alta velocidade, ele foi nomeado membro honorário da equipe inglesa de críquete e o serviço de correios estampou por uma semana todas as suas cartas com um selo especial que lhe desejava "feliz 100 anos".

Além disso, recebeu mais de 140.000 cartões de parabenização de todo o mundo. Entre os remetentes, estava o príncipe William e o capitão da seleção inglesa de futebol Harry Kane, assim como milhares de crianças que enviaram seus desenhos para ele.

acc/mb/ap/aa