Morre de Covid-19 Peter Crawshaw, principal biólogo especialista em onças no Brasil

O Globo
·2 minuto de leitura

RIO — Morreu neste domingo o biólogo Peter Crawshaw Jr., principal especialista em onças do país. Ele tinha 69 anos e foi mais uma vítima da Covid-19.

Crawshaw nasceu em São Vicente, em São Paulo, mas mudou-se ainda jovem para o Rio Grande do Sul. Formado em Ciências Biológicas em 1977 pela Unisinos, em Porto Alegre, fez mestrado e doutorado pela Universidade da Flórida.

Leia também: Órgão ambiental do RN pede à PF para apurar toneladas de lixo que há 5 dias chegam às praias

O pesquisador da Universidade de Brasília Lucas Gonçalves conviveu com Crawshaw nos últimos dez anos. Para ele, o biólogo deixa dois legados, um científico e acadêmico e o outro, pessoal.

— Peter foi um cientista incrível, pioneiro. Foi o primeiro pesquisador a capturar uma onça pintada, a registrar em armadilha fotográfica, monitorar com rádio colar. Foi o primeiro a usar as atuais técnicas para o estudo das onças. Além disso era uma pessoa maravilhosa, carismática, simples, mas admirado por todos. Eu gostaria de, no fim da minha vida, ter formado tanta gente e ser tão querido — afirma Gonçalves.

O biólogo trabalhou no IBDF, no Ibama e se aposentou em 2012 como analista ambiental do Cenap, centro especializado do ICMBio. Continuava participando de projetos de conservação de felinos enquanto morava em Passo de Torres, Santa Catarina.

No Instagram, o Projeto Ondas do Iguaçu lamentou a morte de Peter:

“Hoje é um dia triste. Para nós do projeto, para as onças todas, não só as do Iguaçu. Hoje é dia de se despedir do Peter Crawshaw. Ele foi o pioneiro do trabalho de onças no Brasil. Através de sua paixão, dedicação, humildade e empenho, ele formou muito “onçólogos”, e realmente pavimentou a estrada pela qual todos caminharam e caminham. As onças do Iguaçu tiveram no Peter um guardião. Um gigante que se colocou bravamente entre as onças e sua extinção local, e lutou”, diz a nota.