Morre ex-goleiro Wendell, que teve passagens por Botafogo, Fluminense e seleção brasileira

Morreu nesta segunda-feira (23), aos 74 anos, o ex-goleiro Wendell. Com passagens por Botafogo, Fluminense e pela seleção brasileira, o jogador atuou profissionalmente entre a década de 60 e 80. Ao se aposentar, trabalhou como preparador de goleiros. Em 1994, 98 e 2006, integrou a comissão técnica da seleção como treinador de goleiros nas Copas dos Estados Unidos, França e Alemanha.

Saiba também:

Revelado pelo alvinegro, Wendell Lucena Ramalho, que era conhecido também como "goleiro da camisa amarela" teve duas passagens pelo clube. Uma em 1968 e outra de 1971 a 1977, sendo o goleiro do time na campanha do vice-campeonato brasileiro de 71, quando o Botafogo perdeu para o Atlético-MG na final, e do título da Taça Guanabara de 74.

Além disso, o ex-arqueiro ficou marcado também por ter sofrido o gol de Roberto Dinamite no Campeonato Carioca de 1976, quando o ídolo vascaíno, dentro da área, deu um lençol no zagueiro Osmar e emendou um voleio no ângulo.

No período, Wendell foi convocado para a seleção e jogou em sete oportunidades entre 1973 e 1974. Por pouco, o ex-goleiro não foi o titular da amarelinha na Copa de 74. No ano do mundial, uma lesão o impossibilitou de disputar a competição em que o Brasil teve Emerson Leão como arqueiro.

Já pelo Fluminense, Wendell atuou entre 1977 e 1979 e conquistou o Troféu Teresa Herrera, na Espanha.

Em nota, o Botafogo lamentou o falecimento do ex-goleiro. Confira abaixo:

O Botafogo de Futebol e Regatas lamenta o falecimento de Wendell, ex-goleiro do clube, que nos deixou aos 74 anos, na madrugada desta segunda-feira (23/05), em Recife, onde morava com a sua família. O Clube manifesta solidariedade e deseja força aos familiares e amigos neste momento difícil.

Wendell defendeu as cores alvinegras na década de 70 e, com atuações de destaque, chegou até a seleção brasileira. Identificado com o Glorioso, foi referência na posição durante sua passagem como atleta e serviu de inspiração para a sequência de arqueiros que vieram posteriormente.

Com mérito e reconhecimento, integra a seleta lista dos grandes goleiros que estiveram sob as metas alvinegras ao longo de toda a história. Após encerrar a carreira como jogador, Wendell se tornou Preparador de Goleiros e retornou à seleção brasileira, participando da campanha na Copa do Mundo de 2006.

Como forma de luto e em ato simbólico, a bandeira do clube ficará a meio mastro, na sede histórica de General Severiano. O Clube também vai solicitar junto à CBF uma homenagem póstuma de "Minuto Silêncio", na partida entre Coritiba x Botafogo, no próximo domingo, pela 8ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Obrigado e descanse em paz, Wendell!

Nas redes sociais, o ex-goleiro Cláudio Taffarel lamentou a morte de Wendell, com quem trabalhou na seleção brasileira.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos