Morre Geraldo Brindeiro, procurador-geral da República no governo FHC

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O ex-procurador-geral da República Geraldo Brindeiro morreu nesta sexta-feira (29), em Brasília, por complicações decorrentes da Covid-19. Ele exerceu o cargo entre 1995 e 2003, por indicação do então presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB).

A informação foi divulgada pela ANPR (Associação Nacional dos Procuradores da República). Brindeiro exercia o cargo de subprocurador-geral da República, para o qual foi promovido em 1989.

A associação destaca que ele foi responsável pela concretização do Ministério Público Federal durante o período em que esteve a frente da instituição.

"Geraldo Brindeiro foi, dentre outras coisas, responsável pela construção da sede atual da Procuradoria-Geral da República, além de ter promovido diversos concursos de ingresso na carreira, ampliando em muito a atuação do MP. Sempre soube respeitar o pensamento diverso, com abertura ao diálogo", diz o presidente da ANPR, Ubiratan Cazetta.

Durante o período em que permaneceu no cargo de PGR, Brindeiro foi apelidado por críticos como "engavetador-geral" pelo fato de a Procuradoria ter arquivado inúmeros inquéritos e representações contra FHC e aliados.

Natural do Recife (PE), ele se formou em direito em 1970. Depois, fez mestrado e doutrorado pela Universidade de Yale, nos Estados Unidos. Assumiu o cargo de procurador da República em 1975, período da ditadura militar.

Brindeiro também foi professor de direito civil e direito constitucional na Universidade do Distrito Federal e na Faculdade de Direito da UnB (Universidade de Brasília).

"Perdemos um valoroso colega, um homem que devotou a vida ao Ministério Público. Geraldo Brindeiro foi um incansável defensor da independência funcional, a própria e a dos colegas", disse Augusto Aras, atual PGR. ​

O presidente do Supremo, Luiz Fux, lamentou a morte. Em nota, o magistrado afirma que "Geraldo Brindeiro honrou o Ministério Público. Com sua partida, o Brasil perde um dedicado servidor público, um cidadão respeitável e um defensor da Constituição brasileira. Em nome do Supremo Tribunal Federal e do Poder Judiciário brasileiro, manifesto pesar e deixo um abraço carinhoso aos familiares e amigos".

"Os nossos sentimentos à sua família, amigos e admiradores", afirma nota divulgada pelo presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG).​

O presidente do STJ (Superior Tribunal de Justiça), Humberto Martins, também lamentou a morte de Brindeiro, dizendo ter recebido "com muita tristeza a notícia". "Que Deus possa confortar a família e os amigos neste momento de perda", disse.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos