Morre Luis Gustavo, o seu Vavá de 'Sai de baixo', aos 87 anos

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 minuto de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Morreu neste domingo, aos 87 anos, o ator Luis Gustavo, conhecido por personagens televisivos como o Mário Fofoca de "Elas por elas", o estilista Victor Valentin, de "Ti Ti Ti", o Paulo de "Confissões de adolescente" e o seu Vavá de "Sai de baixo". Luis Gustavo tratava um câncer no intestino desde 2018 e faleceu em Itatiba, no interior de São Paulo, onde vivia.

A notícia foi dada pelo ator Cassio Gabus Mendes, sobrinho de Luis Gustavo, no Instagram e confirmada pela colunista do GLOBO Patrícia Kogut. " Informo que meu querido Tatá faleceu hoje, vítima de câncer. Descanse na luz e na paz! Obrigado por tudo, meu amado tio", publicou Gabus Mendes. Atores como Cissa Guimarães, Thiago Fragoso, Marcos Palmeira comentaram no post para expressão suas condolências.

Filho de um diplomata espanhol, Luis Gustavo Sánchez Blanco nasceu em 2 de fevereiro de 1934 em Gotemburgo, na Suécia, e veio para o Brasil ainda criança. Na pré-adolescência, acompanhava a irmã mais velha, a atriz Helenita Sanchez, à Rádio Tupi Difusora. Lá, conheceu Lima Duarte, à época um jovem sonoplasta e começou a se interessar pela atuação. Quando a TV Tupi estreou, em 1950, seu cunhado Cassiano Gabus Mendes, diretor artístico da emissora, convidou Luis Gustavo para ocupar uma vaga de caboman.

Rapidamente, tornou-se assitente de direção de vários programas da TV Tupi. Estreou em frente as câmeras num episódio do teletratro "TV de Vanguarda". o ator Walter Avancini adoecera e Luis Gustavo foi escalado para substituí-lo. Em 1964, ainda na Tupi, fez sua primeira novela "Se o mar contasse". Também atuou em "O sorriso de Helena (1964), "O direito de nascer" (1964) e "O amor tem cara de mulher" (1966).

Paralelamente à carreira na televisão, Luis Gustavo ingressou no teatro. Em 1967, ganhou um prêmio da Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA) por sua atuação em "Quando as máquinas param", de Plínio Marcos.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos