Morre o ator e produtor cultural Humberto Braga, aos 74 anos

O Globo
·1 minuto de leitura
Fernando Lemos / Agência O Globo

Morreu nesta quinta-feira, no Rio, o ator, produtor cultural e professor Humberto Braga, como informou o colunista Ancelmo Gois. Ele tinha 74 anos, e a causa da morte ainda não foi confirmada. "Um homem das artes com um legado de honestidade, ética e amor ao teatro", homenageou a Associação dos Produtores de Teatro do Rio (APTR).

Além do ofício artístico, em que era reconhecido por seu trabalho dedicado ao teatro da infância e da juventude, Braga teve ainda uma forte atuação na gestão pública da cultura. Ele chegou a presidir a Fundação Nacional das Artes (Funarte), em 2016, mas ficou apenas quatro meses no cargo, sendo sucedido por Stepan Nercessian.

Mais recentemente, em 2020, Braga entrou no governo Bolsonaro como braço direito e articulador do plano de cultura da então secretária Regina Duarte. Ele chegou a ser cotado para assumir a Secretaria Especial, mas acabou sendo alvo de uma campanha de ódio dos apoiadores do presidente, que alegavam que o ator era um "esquerdista" tentando se infiltrar no governo.

"Humberto era um aliado e defensor da democracia, do diálogo, da liberdade de expressão e da classe artística", seguiu a nota da APTR.

Braga começou a carreira como servidor público em 1968, no então Ministério da Educação e Cultura. Em 1976, ainda sob a ditadura militar, integrou o Serviço Nacional de Teatro, entidade que, em 1982, passou a se chamar Instituto Nacional de Artes Cênicas (Inacen). Depois, em 1989, já na redemocratização, participou da Fundação Nacional de Artes Cênicas (Fundacen). A partir da criação da Funarte, em 1994, tornou-se diretor de Artes Cênicas da instituição, até 2000, quando assumiu a secretaria de Música e Artes Cênicas do Ministério da Cultura (MinC), que ocupou até 2003.