Morre o jornalista e escritor Luiz Maklouf de Carvalho

SÃO PAULO — Jornalista, escritor e bacharel em direito, Luiz Maklouf de Carvalho morreu neste sábado, aos 67 anos, após complicações decorrentes de um câncer de pulmão.

Maklouf foi repórter dos jornais O Estado de S. Paulo, Resistência, Movimento, Jornal do Brasil, Jornal da Tarde, Folha de S. Paulo e das revistas Época e Piauí.

Vencedor de dois prêmios Jabuti de livro-reportagem, é autor de "Contido a bala - A vida e a morte de Paulo Fontelles, advogado de posseiros no sul do Pará" (Cejup, 1994), Cobras criadas: David Nasser e O Cruzeiro" (Senac-SP, 2001) e "O coronel rompe o silêncio" (Objetiva, 2004), sobre a guerrilha do Araguaia, e João Santana – Um marqueteiro no poder (Record, 2015).

Foi um dos primeiros repórter a revelar casos de corrupção no PT na década de 80 no jornal o Estado de S.Paulo. Também é autor de “Já Vi Esse Filme”, que trata dos primeiros escândalos do PT, entre 1984 e 2005.

No ano passado, Maklouf lançou um livro sobre a vida do atual presidente da República, Jair Bolsonaro: “O cadete e o capitão: A vida de Jair Bolsonaro no quartel”. A obra investiga o momento em que o atual presidente abandonou a carreira militar e ingressou na vida política, nos anos 1980.

Nas redes sociais, jornalistas demonstraram carinho e fizeram homenagens ao repórter.

"É um dia muito triste para o jornalismo brasileiro. Fica a obra duradoura e fundamental de Maklouf", escreveu em sua conta no Twitter o colunista do UOL Rubens Valente.

"Luiz Maklouf de Carvalho foi um grande repórter. Autor de perfis históricos e de grandes reportagens. Que descanse em paz e seus familiares e amigos se sintam confortados", disse a jornalista Vera Magalhães, apresentadora do programa Roda Viva, da TV Cultura.