Morre o papa emérito Bento 16 aos 95 anos, 1º a renunciar em 600 anos

*ARQUIVO* São Paulo, SP.10.05.2007 - Visita do papa Bento 16 ao Brasil: o papa Bento 16 durante missa e encontro com a juventude católica, no estádio do Pacaembu. (Foto: Eduardo Knapp/Folhapress)
*ARQUIVO* São Paulo, SP.10.05.2007 - Visita do papa Bento 16 ao Brasil: o papa Bento 16 durante missa e encontro com a juventude católica, no estádio do Pacaembu. (Foto: Eduardo Knapp/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O papa emérito Bento 16 morreu neste sábado (31), aos 95 anos, em um mosteiro onde vivia no Vaticano. Sinos badalaram logo após o anúncio, em um dia ensolarado no país.

A morte ocorreu, segundo nota da Igreja Católica, às 9h34 (5h34 pelo horário de Brasília). No último dia 28, o papa Francisco havia pedido orações, dizendo que o antecessor estava muito doente. As últimas imagens conhecidas dele são de um evento da Fundação Ratzinger no dia 1º, em que aparece sentado, demonstrando fragilidade.

O Vaticano anunciou que o funeral será realizado no dia 5 de janeiro, em cerimônia presidida por Francisco na praça São Pedro. Bento 16 pediu, em vida, por atos simples e solenes —segundo a Igreja, só Itália e Alemanha devem enviar delegações oficiais. O corpo de Bento 16 deve ser exposto para as últimas homenagens dos fiéis a partir de segunda (2).

O religioso ficará marcado pela decisão surpreendente, anunciada em 11 de fevereiro de 2013, de renunciar ao papado. Desde Gregório 12, em 1415, um pontífice não deixava por conta própria a chefia da Igreja Católica.

Jornais italianos disseram, à época, que ele estava enojado com escândalos sexuais e financeiros na alta hierarquia do Vaticano. Mas a versão acabou não se confirmando, o que favoreceu a tese de que ele, enfermo e três encíclicas depois, estava debilitado pela rotina de quase oito anos de pontificado.

Já sob o título de papa emérito, após a renúncia, passou a ocupar dependências modestas de um mosteiro nos terrenos do Vaticano, de onde saiu poucas vezes, como, a convite do papa Francisco, seu sucessor, para a missa de canonização de João Paulo 2º (1920-2005), a quem ele sucedera em 2005.

Difícil saber até que ponto Joseph Ratzinger, seu nome original, trabalhou para enfraquecer Francisco, bem mais aberto em questões como divórcio ou relacionamento da igreja com pessoas LGBTQIA+.

Mas um dos consensos biográficos atribui a Ratzinger erudição e preparo teológico excepcionais. Neste sábado, diversos líderes mundiais que lamentaram a morte lembraram dessa faceta. Francisco destacou sua nobreza e bondade. "Gratidão a Deus por tê-lo doado à Igreja e ao mundo", disse.

Como papa, Bento 16 quis marcar sua presença pelo combate à relativização dos valores religiosos ou morais. É provável, no entanto, que passe para a história da Igreja Católica pela gestão marcada por denúncias de pedofilia na instituição, uma bomba de efeito retardado que recebeu dos pontificados anteriores.

Reservado e pouco carismático, Ratzinger, ao sair com a mitra papal do conclave de abril de 2005, sucedeu João Paulo 2º, homem que, em mais de 26 anos de pontificado e viagens a 129 países e regiões autônomas, virou uma estrela pop do catolicismo. Bento 16 visivelmente perdia nessa comparação.

Karol Wojtyla, nome original de João Paulo 2º, polonês discriminado pelo comunismo, dedicou parte de suas energias a minar a legitimidade dos regimes políticos na esfera soviética. E, no embalo, neutralizou o crescimento do pensamento de esquerda dentro da igreja. Para essa tarefa, teve como braço direito o cardeal Ratzinger, seu prefeito da Congregação da Doutrina da Fé (ex-Inquisição).

Com o adversário interno neutralizado —bispos progressistas não se tornaram cardeais, como o brasileiro Helder Câmara—, o jogo político, por assim dizer, automaticamente perdeu importância.

A plataforma de Ratzinger, já como papa, tornou-se mais abstrata para a grande massa de católicos.

Bento 16 procurou se contrapor à secularização e à perda do conteúdo espiritual no século 21. Ou, de modo mais radical, disse valorizar a oração à militância, o que os vaticanistas apontaram como ideia bastante conservadora, a exemplo, aliás, das que prevaleceram nas últimas décadas na alta hierarquia da igreja. O último que escapou delas foi João 23, o papa do Concílio Vaticano 2º, que morreu em 1963.

Dentro da mais absoluta ortodoxia, Bento 16 não fez concessões aos preservativos como instrumento de combate à Aids. A eles contrapunha a abstinência, a fidelidade conjugal e ações contra a pobreza.

Não abriu mão da proibição de ordenação de mulheres —um tópico já meio envelhecido entre as feministas católicas— e criticou os homossexuais. Mesmo se opondo ao preconceito homofóbico, afirmou em 2008 que a relativização da diferença entre homens e mulheres era uma "violação da ordem natural" e que a igreja deveria "proteger a humanidade de sua autodestruição".

Mas as acusações de pedofilia contra religiosos eclipsaram esses outros aspectos. Os primeiros sintomas de um grande problema cresceram em 1991, quando Ratzinger sugeriu a João Paulo que tirasse das dioceses e centralizasse no Vaticano as apurações, na alçada da Congregação da Doutrina da Fé.

Ele queria agilizar a punição de padres faltosos. Um deles, o mexicano Marcial Degollado, fundador da conservadora Legião de Cristo, teve seus privilégios suspensos só em 2010. No último ano do pontificado de João Paulo 2º, um relatório da conferência episcopal americana citava mais de 10 mil denúncias contra 4.300 padres, que em 81% dos casos vitimaram adolescentes do sexo masculino.

Já sob Bento 16, escândalos eclodiam nos EUA, no Canadá, na Irlanda, na Bélgica e na Alemanha, gerando ações criminais em tribunais civis e processos de indenização. Nenhum vaticanista acusaria Ratzinger de omissão. O que eles insinuam, porém, é que o papa emérito, quando cardeal, tinha outras prioridades, sobretudo o enquadramento de teólogos e padres seduzidos pela teologia da libertação.

Bento 16 também acreditava não precisar se pautar pela mídia. Com os casos de pedofilia nas manchetes dos jornais, suas respostas foram sempre morosas e esparsas, levando a uma impressão de inatividade.

Nascido em 1927 na cidadezinha bávara de Marktl, Ratzinger era filho de um policial bastante católico. Aos 14 anos foi inscrito na Juventude de Hitler, conforme determinava uma lei de 1939.

Seus biógrafos mencionam sua reação de horror quando um primo dele, com síndrome de Down, foi preso e morto, em nome da "purificação da raça". Recrutado para os grupos de defesa antiaérea, chegou a ser prisioneiro de guerra, antes de voltar ao seminário e concluir sua formação. Foi ordenado padre em junho de 1951. Permaneceu apenas alguns meses como titular de uma paróquia. Estimulado por uma igreja que valorizava quadros intelectualizados, exerceu sua vocação para a vida acadêmica.

Lecionou teologia nas universidades de Bonn, Tübingen —na qual se aproximou do teólogo de esquerda Hans Küng, de quem se afastou no final dos anos 1960— e Regensburgo. Em 1977, já como bispo, foi nomeado por Paulo 6º arcebispo de Munique e, no mesmo ano, cardeal. Ao se tornar o 256º papa, aos 78 anos, já era o mais antigo cardeal da Cúria Romana, com 24 anos como auxiliar direto de seu predecessor.

A seu pedido, ele deve ser enterrado nas Grutas do Vaticano, em uma cripta próxima à de João Paulo 2º —que depois de beatificado foi levado a uma outra capela—, junto a outros mais de 90 papas.

QUEM SÃO ALGUNS DOS OUTROS PONTÍFICES QUE RENUNCIARAM

Clemente 1º (92-101): Um dos primeiros papas, teria sido o primeiro a renunciar, por razões que não são claras;

Ponciano (230-235): Renunciou durante a perseguição aos cristãos pelo imperador Maximino;

Marcelino (296-304): Não está certo se abdicou ou se foi deposto após cumprir ordem do imperador Diocleciano de oferecer sacrifícios a deuses pagãos;

Bento 5º (964): Aceitou ser deposto por Otto 1º, imperador do Sacro Império Romano, depois de apenas um mês no posto;

Bento 9º (1032-1045): Deixou o posto após vender o papado a Gregório 6º;

Celestino 5º (1294): Ficou apenas cinco meses no papado e emitiu decreto que permitia a renúncia; foi preso e morreu na prisão;

Gregório 12 (1406-1415): Renunciou para encerrar o Grande Cisma;

Bento 16 (2005-2013): Alegando falta de ‘vigor tanto do corpo como do espírito’ aos 85 anos, surpreendeu ao ser o primeiro papa a abdicar em quase 600 anos;