Morre o poeta americano Lawrence Ferlinghetti, o último dos beatniks

O Globo
·1 minuto de leitura

Morreu nesta segunda-feira (22), o poeta americano Lawrence Ferlinghetti, um dos últimos remanescentes da Geração Beat, que escandalizou a literatura americana nos anos 1950. Autor de "Um parque de diversões na cabeça", Ferlinghetti tinha 101 anos e vivia em São Francisco, na Califórnia, onde fundou a icônica livraria City Lights. Ao "Washington Post", Lorenzo, o filho, afirmou que Ferlinghetti morreu em decorrência de uma doença pulmonar. Na tarde desta terça (23), as redes sociais da City Lights anunciaram a morte do "poeta e herói". "Nós te amamos, Lawrence", diz o tuíte, que traz o link para um texto em homenagem a Ferlinghetti publicado no site da livraria.

"Por mais de 60 anos, aqueles d enpos que trabalharam com ele na City Lights foram inspiraddos por seu conhecimento e amor à literatura, sua coragem na defesa do direito à liberdade de expressão, e seu papel vital como embaixador da cultura americana", diz o texto. "Sua curiosidade era ilimitada e seu entusiasmo contagioso, e nós sentiremos muitas saudades dele."

O texto ainda expressa o compromisso dos funcionários de honrar a memória de Ferlinghetti e manter a City Lights aberta ao debate intelectual e comprometida com "a cultura literária e a política progressista". "Embora lamentemos sua morte, celebramos suas muitas contribuições e agradeemos por todos os anos que pudemos trabalhar a seu lado", termina o texto.