Morre vigilante atingido por bala perdida durante confronto entre PMs e bandidos no Rio Comprido

Rafael Nascimento de Souza
·3 minuto de leitura

Morreu, na madrugada desta terça-feira, o vigilante Denis Francisco Paes, de 46 anos, atingido por uma bala perdida numa das pernas durante um tiroteio entre policiais militares e bandidos no Rio Comprido, na região central do Rio. O tiroteio foi na Rua Barrão de Petrópolis e deixou ainda outras seis pessoas feridas — entre eles dois homens que são apontados como suspeitos que também morreram.

— Ele chegou andando (ao hospital). Falou que era vigilante e que não tinha nada com a história. Meu marido está morto, meu Deus. Ele estava bem. Agora o médico disse que ele não resistiu aos ferimentos e morreu. Os médicos disseram que a bala acertou uma das pernas e perfurou o cóccix — lamentou a viúva de Denis, identificada apenas como Carla.

A família do vigilante foi informada sobre a morte às 6h desta terça. Denis morava com a família no Morro dos Prazeres, em Santa Teresa.

Mulher tem bala alojada no pescoço

A caixa de supermercado Bruna Barros Viana, de 39 anos, também ferida no confronto no Rio Comprido, seguia para a casa da filha, que mora no Rio Comprido, quando levou um tiro no pescoço, na noite desta segunda-feira. A bala ficou alojada. Bruna, que mora no Catete, na Zona Sul, estava dentro de uma van quando vou atingida.

Na van onde Bruna estava havia pelo menos outras três pessoas, que não se feriram. A mulher foi socorrida para o Hospital municipal Souza Aguiar, no Centro, no veículo. A operadora de caixa iria dormir na casa da filha para comemorar, nesta terça-feira, o aniversário da neta, que completa 2 anos.

Uma das irmãs de Bruna contou que a filha estranhou a demora da mãe para chegar e ligou para o celular dela.

— Alguém atendeu e falou que ela estava no Souza Aguiar — disse a mulher, que não quis se identificar.

Segundo os parentes da operadora de caixa, o disparo que atingiu Bruna acertou primeiro a lataria da van. Bruna estava prestes a descer do veículo quando foi baleada. Os parentes dizem que a mulher está consciente. No entanto, teria perdido os movimentos de mebros superiores e inferiores. A Secretaria municipal de Saúde (SMS) não confirma essa informação.

— A bala pegou na região do pescoço e ela está sem movimentos — disse a irmã de Bruna.

Segundo a Polícia Militar, um dos mortos no confronto no Rio Comprido foi Marcelo da Silva Guilherme, o Marcelinho dos Prazeres, apontado como chefe do tráfico no Morro dos Prazeres. O outro suspeito que também morreu no local, ainda de acordo com a PM, não foi identificado.

Outros dois baleados foram identificados como Aucemir Joaquim Santana, de 30 anos e Thiago F. Silva, de 32. De acordo com o relato de testemunhas, Denis seria vigilante e estaria voltando do trabalho quando foi atingido.

O Rio teve uma manhã violenta nesta terça-feira. Confrontos em comunidades da Zona Norte deixaram oito feridos. No Morro do Juramento, sete pessoas foram baleadas durante um tiroteio com PMs. Os agentes alegam que a troca de tiros começou depois que bandidos que estavam numa passarela na Avenida Pastor Martin Luther King Júnior atirarem contra as equipes. Os feridos foram levados para o Hospital municipal Salgado Filho, no Méier.

Já no Morro da Mangueira, um policial militar foi baleado quando, de acordo com a corporação, uma base da UPP foi atacada por criminosos. O confronto ocorreu no momento da troca e turno das equipes. O cabo atingido no braço esquerdo foi levado para o Hospital Souza Aguiar. Ele passa bem.