Bill Cosby é declarado culpado por 3 crimes de abuso sexual

Washington, 26 abr (EFE).- O comediante Bill Cosby, ícone da cultura popular dos Estados Unidos, foi declarado nesta quinta-feira culpado por três crimes de abuso sexual no caso da canadense Andrea Constand, por fatos ocorridos em 2004.

O júri, composto por sete homens e cinco mulheres, declarou por unanimidade que Cosby é culpado dos três crimes que acarretam cada um deles uma pena máxima de 10 anos de prisão e uma multa de US$ 25.000.

O juiz Steven O'Neill tem até 100 dias para anunciar a pena, que pode chegar até a 30 anos de prisão.

O julgamento, realizado em Norristown, nos arredores da Filadélfia, se centrou em Andrea Constand, que assegura que, em uma noite no início de 2004, Cosby a convidou para sua mansão de Cheltenham (Pensilvânia) e lhe deu pastilhas que a deixaram enjoada, lhe nublaram a vista e permitiram ao artista abusar dela.

"Foi feita justiça!", exclamou Gloria Allred, advogada da defesa, às portas do tribunal minutos depois de saber o veredito.

Os crimes pelos quais foi considerado culpado são penetração sem consentimento, penetração enquanto se está inconsciente e penetração após o fornecimento de um entorpecente.

A defesa de Cosby, de 80 anos, alegou no julgamento que a relação com Constand foi consentida e assegurou que o comediante usava drogas como chamariz para atrair as mulheres, mas nunca como ferramenta para incapacitá-las.

A vítima, de 45 anos, era então a treinadora de basquete da equipe feminina da Universidade de Temple, onde o comediante estudou e da qual era um importante doador.

Este foi o segundo julgamento que Cosby enfrentou por acusações de abuso sexual, depois que o realizado no ano passado foi declarado nulo, perante a incapacidade do júri de tomar uma decisão. EFE