Morte de gestante após restrições a aborto reacende protestos na Polônia

·3 min de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A morte de uma gestante de 30 anos por complicações decorrentes da gravidez levou poloneses às ruas em várias cidades para protestar contra as fortes restrições ao aborto introduzidas há pouco mais de um ano no país.

Segundo ativistas, é a primeira mulher a morrer como resultado dessa nova legislação. A advogada da família afirma que os médicos esperaram o coração do feto parar de bater antes de atendê-la, e a paciente acabou tendo um choque séptico, de acordo com a BBC e a Associated Press. Ela estava na 22ª semana de gestação e deixou o o marido e uma filha.

Em Varsóvia, centenas de pessoas fizeram uma vigília à luz de velas em frente ao Tribunal Constitucional, que proibiu, em outubro de 2020, a interrupção da gravidez em caso de fetos com má-formação congênita.

Equivalente ao Supremo no Brasil, o tribunal teve 11 de seus 12 juízes nomeados pelo partido governante, o conservador Lei e Justiça (Pis). Além disso, a presidente do tribunal, Julia Przylebska, faz parte do círculo íntimo do homem forte do país, o vice-primeiro-ministro Jaroslaw Kaczynski.

Mesmo antes da decisão da principal corte polonesa, o país já tinha uma das legislações mais restritivas sobre o tema da União Europeia. Com a nova restrição, o aborto ficou permitido em casos de estupro, incesto e quando a vida da mãe estiver em perigo, o que representa apenas 2,4% dos 1.100 abortos legais realizados na Polônia em 2019.

Em janeiro de 2021, quando a nova medida passou a valer, dezenas de milhares de pessoas protestaram em ao menos 35 cidades do país predominantemente católico. A morte que reacendeu as manifestações ocorreu na cidade de Pszczyna (sul do país) no dia 22 de setembro, mas foi levada a público nesta semana por Jolanda Budzowska, advogada que representa a família.

Segundo ela, com medo de serem punidos pela Justiça, os médicos esperaram demais. Do hospital, a mulher teria mandado mensagens à família e a amigos dizendo que os médicos detectaram falta de líquido amniótico e problemas com o bebê, mas não interromperam a gravidez imediatamente por causa das restrições legais. Ela disse, segundo os relatos, que sua febre estava subindo e que estava preocupada de morrer de choque séptico --o que acabou acontecendo.

De acordo com especialistas entrevistados pela BBC, em tese a interrupção da gravidez nesse caso ainda seria permitida porque havia risco de vida para a paciente, mas muitos médicos não conhecem a fundo a nova restrição e podem fazer um julgamento errado na hora do atendimento.

Em um comunicado citado pelo rede de notícias britânica, o hospital afirmou que a equipe fez todo o possível para salvar a vida da paciente e que as decisões foram tomadas levando em conta os riscos para a mãe e o feto.

Desde que chegou ao poder na Polônia, em 2015, o partido Lei e Justiça (Pis) intensificou seu discurso pela família e pela moral católica, atacou movimentos LGBT e aumentou o controle sobre a imprensa e a Justiça.

A legislação anterior sobre o aborto era aprovada pela maioria da população, e tentativas de endurecê-la provocaram protestos em várias cidades polonesas em mais de uma ocasião no passado.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos