Epidemia de coronavírus se propaga e cresce revolta contra autoridades na China

Por Laurent THOMET
Uma foto do falecido médico Li Wenliang diante de flores em um hospital de Wuhan

Convocado pela polícia por ter feito um alerta sobre o novo coronavírus na China, o médico Li Wenliang faleceu em consequência da doença, o que aumentou a revolta entre a população diante de uma crise que piora a cada dia e matou mais de 630 pessoas, com mais de 30.000 infectados.

Duas semanas depois do início da quarentena em Hubei, província onde surgiu a pneumonia viral, a epidemia infectou 31.161 pessoas na China continental, com 636 mortes, de acordo com o balanço mais recente divulgado pelas autoridades.

No restante do mundo, foram confirmados 240 casos de contágios em quase 30 países e territórios, dois deles fatais, em Hong Kong e nas Filipinas.

Milhares de turistas a bordo de três cruzeiros estão bloqueados na Ásia pela detecção do vírus a bordo de seus navios. Em um deles, atracado em Yokohama (Japão), um argentino deu resultado positivo e se tornou o primeiro caso confirmado de um latino-americano diagnosticado com o novo coronavírus.

A hipótese de o vírus ter como origem um morcego parece próxima da confirmação, mas cientistas chineses anunciaram nesta sexta-feira que o pangolim pode ser o "hospedeiro intermediário", que transmitiu o agente infeccioso aos seres humanos. Os genomas das sequências de vírus estudadas neste pequeno mamífero são 99% idênticos aos dos pacientes infectados com o coronavírus de Wuhan.

A epidemia ganhou um tom político, após a morte na quinta-feira à noite de Li Wenliang, médico de Wuhan que, no fim de dezembro, fez um alerta sobre o surgimento do vírus em Wuhan, capital de Hubei.

- Convocado pela polícia -

O oftalmologista foi convocado pela polícia, que o acusou de propagar boatos ao lado de outras setes pessoas. Agora, ele é considerado um herói nacional, ainda mais em comparação com os funcionários do governo local, acusado de ocultar o surgimento da epidemia.

"É um herói que fez o alerta e pagou com sua vida", escreveu um de seus colegas na rede social Weibo.

"Que todos os funcionários que enriquecem com dinheiro público morram debaixo da neve", afirmou um internauta, em um comentário apagado imediatamente pelos censores.

O doutor Li, de 34 anos, faleceu no hospital central da cidade, isolada do mundo desde 23 de janeiro, assim como seus 11 milhões de habitantes. O oftalmologista contraiu a doença quando tratava um paciente.

O governo central anunciou uma investigação sobre a morte do médico, e a prefeitura de Wuhan manifestou seus pêsames à família.

Sua morte ilustra a situação caótica dos hospitais de Wuhan, muito saturados. Um alto funcionário do governo provincial admitiu na quinta-feira que os profissionais da área da saúde não contam com equipamento de proteção contra o vírus.

- Xi e Trump conversam -

Uma falta de material que pode ter um alcance global, advertiu nesta sexta-feira o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus. O mundo enfrenta "uma escassez crônica de equipamentos de proteção pessoal contra o vírus", alertou.

O presidente Xi Jinping, que permaneceu discreto desde o início da crise, assegurou a seu colega americano, Donald Trump, que o país é "completamente capaz" de derrotar o coronavírus, durante uma conversa por telefone.

Também pediu ao governo dos Estados Unidos uma reação "de forma razoável" à crise. Washington proíbe a entrada em seu território dos estrangeiros que passam pelo território chinês. No início da semana, a China acusou o país de "propagar o pânico".

Xi afirmou que a China está travando "uma guerra popular" contra a epidemia, com "mobilização nacional e medidas de prevenção e controle muito estritas", informou o canal CCTV.

Trump "expressou sua confiança na força e na resistência da China para enfrentar o desafio do novo surto de coronavírus", e os dois presidentes "concordaram em continuar a ampla comunicação e cooperação", indicou a Casa Branca.

- Cruzeiros bloqueados -

Muitos países aumentaram as restrições à entrada de pessoas procedentes da China e não recomendam viagens ao país.

Milhares de turistas e tripulantes estão confinados em cruzeiros na Ásia.

No Japão, o "Diamond Princess" permanece em quarentena após a confirmação de 61 casos a bordo, incluindo um argentino, o primeiro caso de latino-americano diagnosticado com a doença. Quase 3.700 pessoas estão retidas em suas cabines.

Em Hong Kong, 3.600 pessoas enfrentam a mesma situação no cruzeiro "World Dream", depois que três pessoas que foram passageiros do navio apresentaram resultado positivo para o coronavírus.

De acordo com as autoridades japonesas, outro cruzeiro, o "Westerdam", segue em direção ao país com pelo menos um caso confirmado a bordo.

- Paralisação continua -

Nas últimas 24 horas, a China continental registrou 73 mortes, incluindo 69 em Hubei. As autoridades contabilizaram 3.143 novos casos de contágio no mesmo período.

A taxa de mortalidade do novo coronavírus, de aproximadamente 2%, ainda é considerada muito inferior à da Sars (Síndrome Respiratória Aguda Grave), que matou 774 pessoas em todo mundo entre 2002 e 2003.

A economia chinesa pode ser afetada por um longo tempo, pois em muitas províncias a maioria das empresas e das fábricas não deve retomar as atividades antes de 10 de fevereiro - na melhor das hipóteses.

A montadora japonesa Toyota anunciou um novo adiamento, até 16 de fevereiro, da retomada da produção em suas fábricas na China.