Morte de policial eleva para 35 os mortos em protestos contra Maduro na Venezuela

Manifestantes de oposição durante confronto com a polícia em protesto contra o presidente Nicolás Maduro em Caracas, na Venezuela. 03/05/2017 REUTERS/Carlos Garcia Rawlins

CARACAS (Reuters) - Um policial faleceu na madrugada desta quinta-feira na Venezuela depois de ser ferido por um disparo em uma manifestação, informou o Ministério Público, o que elevou para 35 o número de mortos da atual onda de protestos contra o presidente Nicolás Maduro.

O policial de 38 anos foi baleado na tarde de quarta-feira no município de San Joaquín, no Estado de Carabobo, disse a Procuradoria, sem dar maiores detalhes.

    Na véspera, milhares de venezuelanos foram às ruas para protestar contra o que consideram uma "ditadura" do socialista Maduro, que convocou um Assembleia Constituinte para redigir uma nova carta magna, o que poderia levar a eleições.

    Os protestos, que foram fortemente reprimidos pelas forças de segurança, terminaram com um morto e mais de 200 feridos só em Caracas, denunciaram opositores.     

    "A Procuradoria de Carabobo investiga morte do oficial de Polícia deste Estado Gerardo Barrera, que perdeu a vida neste 4 de maio", disse o Ministério Público.

    A oposição vem protestando nas ruas da Venezuela desde o final de março e dizendo que não irá desistir até conseguir, entre outras coisas, a convocação de eleições gerais antecipadas, a libertação de mais de uma centena de presos políticos e a separação dos Poderes públicos.

    Os estudantes universitários do país se concentraram em suas instituições de ensino para protestar contra o governo.

(Por Diego Oré e Corina Pons)