Mortes de bancários da Caixa mais que triplica em 2021, aponta estudo

·1 minuto de leitura

O número de desligamentos por morte de bancários da Caixa aumentou 253% no primeiro quadrimestre de 2021 em relação a igual período anterior. É o que aponta um estudo encomendado pela Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa Econômica Federal (Fenae) ao Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). De janeiro a abril deste ano, foram 46 encerramentos de contrato, quantidade bem acima dos 13 registrados em 2020.

O levantamento não especifica a causa das mortes. Ainda assim, o presidente da Fenae acredita que a alta está relacionada à pandemia de Covid-19, uma vez que os bancários, por exercerem atividade essencial e trabalharem presencialmente, ficam mais expostos ao contágio.

A taxa de crescimento de mortes entre funcionários da Caixa foi superior àquela observada entre bancários em geral. Considerando todo a categoria, houve 84 desligamentos entre janeiro e abril de 2020 e 208 no mesmo período de 2021, o que representa variação de 147%.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos