Brasil bate novo recorde e pela 9ª vez registra mais de mil óbitos em 24h por covid-19

Marcella Fernandes

Um dia após atingir novo recorde diário de mortes causadas pelo novo coronavírus confirmadas, o Brasil bate um novo recorde, em reflexo do agravamento da pandemia no Brasil. Há 32.548 óbitos até o momento, de acordo com balanço divulgado pelo Ministério da Saúde. São 1.349 a mais do que o total registrado nesta terça-feira (2).

Já os casos confirmados somam 584.016, 28.633 a mais do que no boletim anterior. O maior número de infecções está no estado de São Paulo, com 123.483 mil casos e 82.76 mortes. Em seguida, aparecem Rio de Janeiro, com 6.010 óbitos, Ceará (3.605), Pará (3.193) e Pernambuco (3.012).

Os dados mais recentes reforçam o agravamento da crise sanitária no País. Esta é a 9ª vez que o total de mortes confirmadas de um dia para o outro é acima de mil.

A primeira vez em que isso ocorreu foi em 19 de maio, com 1.170 óbitos confirmados em 24 horas. O número também foi um marco na evolução diária da pandemia quando comparada a outros países. Superou o total de 919 mortes confirmadas de um dia para o outro no fim de março na Itália, um dos principais epicentros na Europa da crise sanitária e um dos cenários mais dramáticos da pandemia até então.

Outro marco foi na semana seguinte. Em 25 de maio, o Brasil ultrapassou os Estados Unidos no registro diário de mortes: 807 novos óbitos confirmados pelo Ministério da Saúde no mesmo dia em que o Centro de Prevenção e Controle de Doenças (CDC) americano incluiu 620 mortes no balanço oficial.

Após ultrapassar a Espanha e a França nos últimos dias no ranking de países com mais vítimas da pandemia, o Brasil é o quarto na lista de mortes, de acordo com o mapeamento do Centro de Recursos de Coronavírus da Universidade Johns Hopkins.

Apenas Estados Unidos, Reino Unido e Itália estão na frente do País no número de óbitos. Como o total de mortes na Itália é de 33.601, segundo dados mais recentes, é possível que o Brasil mude de posição nos próximos dias.

A...

Continue a ler no HuffPost