Mortes em Angra dos Reis: barco sumido é encontrado a 38 metros de profundidade

·3 minuto de leitura

A Secretaria Executiva de Ilha Grande, em Angra dos Reis, Costa Verde fluminense, confirmou nesta quarta-feira que equipes acharam o barco Novo Milênio, desaparecido há um mês e onde estavam Leonardo de Andrade, de 50 anos, e Cristiane Nogueira, de 48. A embarcação está naufragada a cerca de 38 metros de profundidade, segundo a prefeitura, e a cinco quilômetros do continente. Contudo, os mergulhadores ainda não conseguiram fazer o mapeamento e o resgate que vão ajudar a Polícia Civil a esclarecer o caso. A baixa visibilidade e a profundidade restritiva, que limita em oito minutos o tempo de permanência dos mergulhadores, impediram o trabalho das equipes de busca que atuam na região.

— O dono da embarcação tem interesse em resgatá-la. Mas será preciso amarrar um cabo na estrutura que possa suportar um reboque até uma área mais rasa. Vamos dar todo o apoio nas buscas e ajudá-lo, já que nessa profundidade é difícil encontrar empresa que faça a reflutuação — afirma o secretário de Ilha Grande, Carlos Kazuo, que participa das ações junto com o Grupamento Ambiental Marítimo.

No sábado, dois mergulhadores desceram até o fundo, mas o mar estava muito agitado. As equipes encontraram, com a ajuda de uma lanterna, algumas redes emboladas e uma tolda de inox retorcida com uma lona verde. Segundo Kazuo, após 20 metros de profundidade não há mais luz natural. No domingo, foram cinco pessoas participando das buscas, mais bem equipadas e experientes. No entanto, apesar de as condições de navegação estarem melhores, havia muito lodo no fundo do mar.

A identificação foi feita pelas características dos objetos que já foram avistados. Segundo a Prefeitura de Angra dos Reis, as buscas ocorrem "sempre que as condições climáticas permitem, durante o dia", devido à baixa visibilidade. A prefeitura ajuda na conclusão do inquérito.

— Não conseguíamos nem ver o computador de mergulho, a visibilidade era em torno de zero. Foi bem mais restrito. No tato, conseguimos apenas identificar as redes e alguns cabos — detallha o secretário.

A expectativa é de que novas buscas sejam feitas apenas na semana que vem, após a passagem da frente fria que chegou esta semana em Angra dos Reis e infuencia a condição do mar. É preciso que o cenário melhore.

— Vamos descer em dois grupos. O primeiro vai até onde se consegue ver o final da rede, e o segundo desce com algum equipamento de filmagem para captarmos imagens e enviarmos à Polícia Civil para conclusão do inquérito. A frente fria cancelou qualquer nova possibilidade para esta semana. Provavelmente isso só acontecerá na quarta-feira (dia 29).

O delegado Vilson de Almeida Silva, titular da 166ª DP (Angra), responsável pelas investigações, confirmou, nesta quarta-feira, que aguarda a locaização do barco e lamentou as condições climáticas atuais.

— Não conseguimos encontrar o barco ainda. A água ali em Angra está muito escura. Além disso, o tempo não está ajudando — diz o delegado, que aponta um naufrágio como principal linha de investigação do caso.

Segundo a Marinha, o proprietário do barco será notificado para que preste esclarecimentos assim que a embarcação for encontrada, além de ter que providenciar a reflutuação da mesma. Leonardo e Cristiane passavam um fim de semana juntos e tentavam uma reconciliação. Eles pegaram a embarcação, que já havia sido do empresário, emprestada de um amigo e disseram que veriam o pôr do sol.

O corpo de Leonardo foi encontrado por pescadores próximo à Praia do Provetá, em Ilha Grande, no último dia 15. A identificação do empresário foi possível por conta dos documentos encontrados junto ao cadáver. A causa da morte foi apontada como afogamento após perícia realizada no Instituto Médico-Legal. Já o corpo de Cristiane estava na Restinga de Marambaia, Zona Oeste do Rio, também com indícios de afogamento, e foi resgatado em 29 de agosto.

No último dia 2, uma boia foi encontrada pela Capitania do Portos, também na Restinga da Marambaia. A confirmação de que o objeto pertence à traineira onde estava o casal foi feita pela polícia. Uma janela compatível com a da embarcação também foi localizada no mar.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos