Mortes de militares dos EUA no Afeganistão são pesadelo para Biden

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·1 minuto de leitura
President dos EUA Joe Biden na Casa Branca, em Washington.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Por Steve Holland e Trevor Hunnicutt

WASHINGTON (Reuters) - O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, ansiosamente tentando concluir a retirada norte-americana do Afeganistão, assistiu a um cenário de pesadelo se desenvolver nesta quinta-feira, quando um ataque suicida do lado de fora do aeroporto de Cabul matou pelo menos 12 soldados norte-americanos e feriu outros 15.

“Estamos revoltados e também de coração partido”, disse Biden em declaração na Casa Branca o início da noite. Ele prometeu “caçar” os agressores e chamou os soldados mortos de “heróis”.

“Eles simplesmente são parte do que chamo de espinha dorsal dos Estados Unidos... o melhor que o país tem a oferecer”, afirmou.

Biden, que está sendo criticado pela saída dos EUA após a rápida tomada de poder do Taliban no Afeganistão enquanto as forças norte-americanas se retiravam após duas décadas, vinha tentando reforçar a mensagem nos dias anteriores ao ataque de que os Estados Unidos estavam saindo do Afeganistão para salvar a vida de seus soldados.

A contagem de mortes do Exército dos EUA para a Guerra do Afeganistão é de 2.500 pessoas desde 2001.

Permanecer por mais tempo, disse o presidente democrata a repórteres em 20 de agosto, poderia significar que ele precisaria enviar “seus filhos, suas filhas --como meu filho foi ao Iraque-- para talvez morrer. E para quê? Para quê?”.

As mortes militares dos EUA desta quinta-feira foram as primeiras no Afeganistão desde fevereiro de 2020 e representaram o dia mais mortal para as tropas norte-americanas no país em uma década.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos