Mortes por problemas ligados ao álcool sobem 156% em SP, diz estudo

·6 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A cidade de São Paulo registrou no primeiro ano de pandemia de Covid-19 um aumento de 156,3% de mortes por transtornos mentais ou comportamentais causados pelo uso de álcool. No estado de São Paulo, o salto foi de 64,5% e no país, de 18,4%.

São casos em que o atestado de óbito registrou o consumo de álcool como a causa básica da morte (código F10 da CID, Classificação Internacional de Doenças). Entram aí intoxicações agudas seguidas, por exemplo, de suicídios e acidentes, e transtornos psicóticos, entre outros. Ficaram de fora, portando, as mortes por doenças crônicas ligadas ao consumo de álcool, como cirrose e pancreatite.

Na última década, em vários anos houve queda ou estabilização das mortes por transtornos mentais e comportamentais ligados ao uso de álcool. Na cidade de São Paulo, por exemplo, entre 2018 e 2019 a redução tinha sido de 18,4%. Já entre 2019 e 2020, elas pularam de 80 para 205. No estado de São Paulo, o salto foi de 690 para 1.135 e, no Brasil, de 6.428 para 7.612.

Os dados são de um relatório da Vital Strategies a partir de dados extraídos do SIM (Sistemas de Informações sobre Mortalidade), do Ministério da Saúde.

Segundo a epidemiologista Luciana Sardinha, pesquisadora da Vital Strategies, são duas as principais hipóteses que explicariam essa alta em 2020.

A primeira é que a pandemia provocou grande impacto na saúde mental e isso levou ao aumento do consumo de bebidas alcoólicas dentro de casa.

"As pessoas ficaram mais preocupadas, tensas, irritadas, com medo, com dificuldade de dormir", relata a psiquiatra Ana Cecília Marques, coordenadora da comissão de dependência da Associação Brasileira de Psiquiatria. Ao mesmo tempo, não encontraram canais trabalhar esses sentimentos, como acesso a psicólogos e psiquiatras.

Segundo ela, houve aumento de todos os tipos de consumo de bebidas alcoólicas. "Quem já bebia passou a beber mais e com mais frequência. Muitos homens que não bebiam passaram a beber e a convidar a esposa para beber junto. E quando associam o álcool a sedativos, vira uma bomba atômica."

Dados de mercado mostram uma disparada na venda de bebidas alcoólicas em 2020. No Brasil, a comercialização de vinhos quase dobrou em relação a 2019. A de cerveja foi a maior dos últimos seis anos, com 13,3 bilhões de litros, só perdendo para 2014, ano em que o Brasil sediou a Copa.

A segunda hipótese é que, devido à pandemia, muitos doentes crônicos descuidaram da saúde ou não tiveram acesso ao acompanhamento de rotina. A junção de uma diabetes descompensada ou um problema cardiovascular com o consumo abusivo de álcool, por exemplo, aumenta o risco de morte.

Segundo dados da Glic, uma plataforma de telemedicina que dá suporte a diabéticos, em março de 2020, 5% dos usuários registraram a ingestão de álcool. Já em outubro do mesmo ano, o percentual havia pulado para 20%.

"A gente também imagina que muitos casos que já vinham sem controle podem ter se exacerbado durante a pandemia", afirma Sardinha. Mais da metade (57,2%) das mortes por transtornos relacionados ao álcool era de pessoas entre 45 e 64 anos.

Para ela, a situação é muito mais grave do que a apontada no relatório, uma vez que ficaram de fora tanto as doenças crônicas diretamente ligadas ao alcoolismo, como a cirrose, quanto mais de outros 200 agravos à saúde relacionados às bebidas, como doenças cardiovasculares e câncer.

O irmão de Sandra de Sousa, 42, morreu em decorrência do uso abusivo de álcool no ano passado. João, 58, entrou em coma alcoólico no banheiro de casa e aspirou o próprio vômito. O líquido que estava região gástrica foi para o pulmão, o que provocou uma parada cardiorrespiratória.

"Ele tinha conseguido parar com a bebida, mas com a quarentena teve recaída e passou a beber em casa, sozinho. A dor de não ter podido fazer nada por ele ainda é grande", diz ela.

Segundo Sardinha, a faixa etária na qual mais tem aumentado o consumo de álcool é entre 18 e 34 anos. "É a faixa economicamente ativa. E a gente sabe as consequências disso a médio e longo prazo: mais doenças e mais impactos na economia."

O aumento ocorre em especial entre as mulheres, segundo dados do Vigitel (sistema de vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico). De 2006 a 2019, houve alta de 70,5% nesse grupo.

Segundo o relatório da Vital Strategies, "A Verdade é Sóbria: Incentivando a Morte e Deficiência por Álcool", as isenções fiscais dadas por governos para a indústria do álcool têm estimulado o aumento no consumo, os danos à saúde e as mortes, além de contribuir para gastos públicos exorbitantes com os sistemas de saúde.

O documento traz dados sobre os tipos e quantidades de incentivos econômicos destinados à indústria do álcool nos últimos 25 anos por vários países, incluindo o Brasil. Na Copa-2014, o governo brasileiro concedeu renúncias fiscais à Fifa e a seus parceiros comerciais --um total de US$ 475 milhões entre 2011 e 2015.

Segundo Paula Johns, diretora-geral da ACT Promoção à Saúde, está tramitando no Congresso um projeto de lei que trata da transparência nos dados de subsídios fiscais para indústrias como as das bebidas alcoólicas e açucaradas e do agrotóxico, entre outras. "A transparência é zero em relação a esses valores."

Outra discussão tem sido feita sobre uma maior tributação de produtos não saudáveis que têm impacto nas doenças crônicas. "A aceitação da população e dos parlamentares em sobretaxar o álcool é gigantesca. Mas pergunta se isso vai para frente? Nem na agenda global isso avança", afirma Johns.

Em nota, a Secretaria Municipal da Saúde diz que o alcoolismo não pode ser analisado apenas pelo código F10, conforme foi feito no levantamento da Vital Strategies.

Segundo a secretaria, a hepatopatia alcoólica, que fica no código K70 da CID, é mais informativa porque, além de revelar o alcoolismo, mostra que é no fígado a manifestação que levou à morte.

De acordo com dados do Proaim (Programa de Aprimoramento das Informações de Mortalidade), ano passado foram registrados 643 óbitos ligados ao consumo de álcool. A doença alcoólica do fígado respondeu por 419 mortes. Em segundo lugar vieram os transtornos mentais de comportamento (205).

"Não é possível analisar o alcoolismo sem levar em consideração suas diversas manifestações específicas [hepatopatia e pancreatite, entre outras]. Nas regras de seleção da causa básica da morte, sempre que houver referência ao problema específico, este é priorizado em relação ao termo genérico", diz a nota.

Os dados de 2019 e 2020, segundo a pasta, ainda estão sendo investigados e corrigidos, porque estão inferiores à média histórica, que sempre esteve em torno de 800 mortes. No ano passado, segundo a secretaria, é possível haver causas anteriormente referidas como casos suspeitos de Covid-19 que não foram confirmados e que podem estar relacionadas ao alcoolismo.

A secretaria reforça ainda que está disponível atendimento especializado nos 32 Centros de Atenção Psicossocial - Álcool e Drogas (Caps-AD), que oferecem acolhimento à demanda espontânea, orientações, atendimentos multiprofissionais, acompanhamento médico, atenção às crises e reabilitação psicossocial. Em 17 deles há possibilidade de acolhimento noturno por até 14 dias.

A Secretaria de Estado da Saúde informa que a política de saúde mental do SUS estabelece a atenção primária para o acolhimento de pessoas que fazem uso excessivo de álcool. No estado, diz, há mais de 5.300 UBS e Caps que podem acolher essas pessoas. Também reforça que auxilia a Rede de Atenção Psicossocial (Raps) do SUS, com apoio técnico e qualificação de colaboradores.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos