Morto a facadas no Centro do Rio, guia turístico é descrito como determinado e alegre

Determinado, bondoso e alegre. Essas são algumas das características descritas por parentes e amigos de Daniel Mascarenhas Xavier da Silva em suas inúmeras mensagens de despedida ao guia de turismo — morto a facadas no Centro do Rio, na madrugada da última quarta-feira. Alguns comentam também sobre sua inteligência e sagacidade, ou, até mesmo, sobre as piadas ácidas que normalmente soltava. Algo comum em todas as mensagens é o lado sonhador de Daniel, que, segundo a família, sempre buscava algo novo para fazer.

Brutalidade: Guia turístico morreu por hemorragia após levar cinco facadas de mulheres nas costas e no pescoço, aponta laudo do IML

Latrocínio: Guia de turismo é morto a facadas por mulheres ao reagir a assalto no Centro do Rio; vídeo

Além de guia de turismo, Daniel, que tinha 31 anos, trabalhava dando aulas de português, francês e inglês. Ele também atuou como comissário de bordo em uma companhia aérea colombiana. Nas redes sociais, compartilhava registros seus ao redor do mundo e fotos enquanto praticava esportes, quase todas com brincadeiras nas legendas.

Em um texto divulgado no perfil de sua irmã, Beatriz, após sua morte, uma prima afirma que Daniel era “particular”, “organizado” e “determinado”. Em uma postagem com fotos de seu irmão, Beatriz também deixou uma mensagem, onde lamenta a partida repentina do guia: “Te tiraram de mim, de maneira bruta”, diz. “Queria poder ter te abraçado mais esses dias e te tirar dessa”, completa.

Fernanda, namorada de Daniel, também comenta a morte brutal do rapaz: “Carrego um amor muito grande comigo, um amor sólido e abençoado, mas também uma dor que rasga o meu peito por ter perdido quem eu amo tão precocemente”.

Daniel Mascarenhas morreu pouco depois das 2h da última quarta. Ele saía do trabalho quando foi abordado por duas mulheres em uma moto e reagiu ao assalto. Imagens feitas por câmeras de segurança mostram o momento em que as duas mulheres — uma loira, que está pilotando a motocicleta, e outra morena — o abordam na Rua 20 de Abril. A criminosa que está na garupa aponta uma arma para Daniel, que entrega seus pertences. Mas, logo em seguida, ele reage e segura a dela mão, tentando sair da mira da arma. As duas descem da moto e entram em luta corporal com o guia, até que a loira pega uma faca e o esfaqueia diversas vezes.

Em liberdade: Entregador baleado e mantido sob custódia em hospital recebe alta e vai para casa após decisão da Justiça

A violência dura pouco mais de dois minutos. Enquanto Daniel é repetidamente golpeado, um ciclista passa pelo local, olha a cena de perto e se afasta. Ao menos três pedestres também observam, mas não fazem nada. Um taxista chega a dar ré no veículo. Mesmo com Daniel pedindo ajuda, o motorista arranca com o carro e sai sem prestar socorro. O guia, então, sai caminhando do local, com o corpo coberto por sangue. Em determinado momento do vídeo, ainda é possível observar que um homem com camisa azul pede a faca usada no crime para as mulheres. A criminosa de cabelos escuros entrega o objeto e ele vai embora.

Segundo o Corpo de Bombeiros, Daniel foi encontrado já sem vida pouco depois, na altura do Hospital Souza Aguiar, cerca de 300 metros do local onde foi agredido. Equipes do 5º BPM (Praça da Harmonia) também foram acionadas e constataram a morte do guia de turismo. Uma faca e um simulacro de arma de fogo foram apreendidos no local e encaminhados para perícia.

Em favelas do Rio: Relembre casos de moradores que tiveram objetos confundidos com armas durante operações

O caso é investigado pela Delegacia de Homicídios da Capital, que já ouviu testemunhas. Segundo elas, as mulheres insinuaram para pessoas que se aproximaram que a vítima seria um criminoso e que havia agredido as duas. De acordo com a Polícia Civil, diligências estão em andamento para apurar a autoria e a motivação do crime. Daniel foi enterrado na tarde de quinta-feira, no Cemitério do Cacuia, na Ilha do Governador.