Mostra Ecofalante exibe seleção gratuita de títulos on-line com temática sócioambiental

Um dos maiores eventos dedicados à produção audiovisual em torno de temas socioambientais na América do Sul, a Mostra Ecofalante de Cinema está de volta em formato híbrido, com uma coleção de 27 obras de 18 países disponível on-line gratuitamente, a partir desta quarta-feira (27), pelo site www.ecofalante.org.br. Até 17 de agosto, a 11ª edição do evento promove ainda exibições presenciais em salas de São Paulo, em um total de 106 filmes, incluindo produções indicadas ao Oscar e premiadas em Cannes, Sundance, Roterdã e Locarno.

'Wakanda para sempre': quais as principais apostas para assumir a identidade do Pantera Negra

Ganhador do Emmy: morre o ator David Warner, de 'A profecia' e 'Titanic', aos 80 anos

'Uma fábula suburbana': Rodrigo França dirige seu primeiro longa, 'Barba, cabelo e bigode'

Entre os títulos selecionados para a plataforma on-line, estão os indicados ao Oscar de melhor documentário "Ascensão", de Jessica Kingdon, que traça um retrato do “sonho chinês” de Xi Jinping na China do século XXI; a série “Uprising”, do vencedor de três estatuetas do Oscars Steve McQueen e James Rogan; e o longa “Animal”, do diretor francês Cyril Dion (vencedor do César de melhor documentário com "Amanhã"), lançado no Festival de Cannes. A lista também inclui os longas “Geração Z”, de Liz Smith, e “Searchers: O amor está nas redes”, de Pacho Velez.

Na Competição Latino-americana, estão selecionados 35 representantes da Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Cuba e México, incluindo o argentino “Esqui", vencedor do prêmio da crítica na seção Fórum do Festival de Berlim; “A montanha lembra”, ganhador da competição internacional de curtas do "É tudo verdade"; e “Céu de Agosto”, de Jasmin Tenucci, que disputou a Palma de Ouro na categoria de melhor curta-metragem, obteve uma menção especial do júri do Festival de Cannes.

Nas sessões presenciais, o festival traz ainda uma homenagem ao diretor e ator Jacques Perrin, falecido em abril deste ano, e uma retrospectiva dedicada à cineasta Sarah Maldoror, primeira mulher negra a dirigir um longa-metragem na África, além da exibição do icônico documentário “Koyaanisqatsi”, de Godfrey Reggio, que completa 40 anos de lançamento.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos