Mostra de pioneiro do art nouveau está entre as novidades em exposição

Sérgio Luz
·3 minuto de leitura
Reprodução
Reprodução

RIO — Adiada por conta da pandemia, a mostra mais importante do ano no Centro Cultural Banco do Brasil — dedicada ao art noveau — abre enfim as portas nesta quarta (18/11), seguindo todos os protocolos necessários para dar segurança ao público. Outros museus e centros culturais também estão com novidades em cartaz — seja presencialmente, seja por meio de visitas virtuais. O Museu Histórico Nacional exibe, em formato digital, retratos raros de africanos que trabalhavam como escravos no Rio do século XIX, como parte dos eventos do Dia da Consciência Negra, celebrado na sexta-feira. E o Itaú Cultural, em São Paulo, abre a “Ocupação Lima Duarte”, acessível em visita virtual. Confira a lista.

‘Alphonse Mucha: o legado da art nouveau’

Com curadoria de Ania Rodriguez e Tomoko Sato, a exposição celebra a obra do artista tcheco, maior expoente do art nouveau, no fim do século XIX. Dividida em quatro ambientes — “Mulheres: ícones e musas”, “O estilo Mucha”, “Uma linguagem visual” e “Beleza: o pode da inspiração”, a mostra traz a maior coletânea de Mucha já vista no Brasil, com mais de cem obras cedidas pela Mucha Foundation, de Praga (República Tcheca).

Entre as obras que integram a exposição estão anúncios de produtos, cartazes de espetáculos da atriz francesa Sarah Bernhardt, gravuras e trabalhos de artistas que foram inspirados pelo mestre da art nouveau.

A visitação, com agendamento prévio — pelo site Eventim —, conta com medição de temperatura na entrada, além de exigir o uso da máscara em todos os setores do prédio. Qua a seg, das 9h às 17h, no Centro Cultural Banco do Brasil (Rua Primeiro de Março 66, Centro — 3808-2020). Grátis. Livre.

Museu Histórico Nacional

O MHN abriu na última segunda-feira a mostra virtual “Fotografias de costumes brasileiros: o negro olhar por trás dos retratos de Christiano Junior”. São 24 imagens realizadas por volta de 1865 pelo fotógrafo açoriano, que registrou, em estúdio, africanos que viviam escravizados no Rio de Janeiro. As imagens, digitalizadas pelo MHN e pela primeira vez reunidas numa exposição, mostram a diversidade da população de origem africana na cidade em meados do século XIX e têm como proposta uma reflexão sobre a condição de vida dessas pessoas antes da abolição da escravatura. Está disponível na plataforma Google Arts & Culture.

Centro Cultural Correios

Até 24 de janeiro, o Centro Cultural Correios (Rua Visconde de Itaboraí 20, Centro — 2253-1580) apresenta a exposição “Linha livre — A arte de Bruno Big”, que reúne a produção recente do artista visual carioca, com pinturas em acrílica e aquarela, além de esculturas em cerâmica. A mostra também conta com tour virtual no site de Big: www.brunobig.com. Ter a dom, do meio-dia às 19h. Grátis. Livre.

‘Ocupação Lima Duarte’

No ano em que completou 90 anos, Lima Duarte ganha exposição multimídia que relembra sua vida e obra no Itaú Cultural, em São Paulo. A ocupação marca a 50ª mostra do espaço dedicada a artistas que são referência na cultura brasileira.

A exibição apresenta figurinos, áudios e projeções para recontar a trajetória pessoal e a longa e vitoriosa carreira do ator no rádio, na televisão, no teatro e no cinema. O material inclui 130 fotos, seis telas de projeção e cinco telas de LED, entre outros suportes. Quem estiver em São Paulo deve agendar a visitação pelo site da Sympla. A versão on-line pode ser acessada no site www.itaucultural.org.

‘Cosmocinema’

A partir de amanhã (quinta, 19/11), a mostra “Cosmocinema”, na Galeria Aymoré (Ladeira da Glória 26, Glória — 4136-1550), que celebra os 50 anos do encontro entre o artista plástico Hélio Oiticia e o cineasta Neville D’Almeida, apresenta uma série de projeções de filmes ao ar livre. A estreia, nesta quinta, exibe o longa “Jardim de guerra” (1968), o segundo assinado pelo diretor mineiro. A trama gira em torno de um jovem que é acusado de terrorismo e termina preso e torturado. A obra inaugurou a Quinzena dos Realizadores do Festival de Cannes, em 1969.

As próximas sessões trazem filmes como “Maksuara — Crepúsculo dos Deuses” (dia 26) e “Neville D'Almeida —Cronista da beleza e do caos” (3/12), de Mario Abbade.