Mostras gratuitas de arte popular, do carnaval ao cordel

Ricardo Ferreira

Dono de um rico acervo com cerca de 17 mil itens relacionados à cultura popular, o Museu de Folclore Edison Carneiro, no Catete, abriu duas novas exposições. “Terra do papangu” apresenta uma seleção de máscaras do tradicional carnaval de Bezerros, cidade do interior de Pernambuco. Já “Xilogravura” traça um panorama associado à literatura de cordel. São cerca de 100 obras — entre matrizes e xilogravuras de fato — feitas por 26 autores, entre eles Mestre Noza, Stênio Diniz, J. Borges e Ciro Fernandes.

A mostra também marca a reabertura da Galeria Mestre Vitalino, espaço do museu que estava fechado desde 2013. Os trabalhos reunidos na galeria não eram exibidos ao público havia 21 anos.

— A galeria é muito importante para nós, fazemos nela mostras de média duração com itens do nosso acervo. Temos preciosidades aqui, xilógrafos pernambucanos e cearenses, filhos de cordelistas. É uma arte tradicional muito difundida, inclusive no exterior — diz Elizabeth Costa, chefe do setor de pesquisa do Centro Nacional de Folclore e Cultura Popular (CNFCP), órgão do Iphan responsável pelo museu.

Confira

Na Sala do Artista Popular, ambiente destinado às exposições de curta duração, “Terra do papangu” remonta aos foliões que curtiam o carnaval de Bezerros debaixo do anonimato oferecido pelas máscaras. Tudo regado a angu de milho, daí o nome do adereço. Estão lá 120 máscaras feitas de papel maché ou de papel colé, e algumas de couro, inspiradas na indumentária dos cangaceiros. Todas à venda.

— A exposição, por meio de textos de parede, de fotos tiradas no local de produção, bem como da apresentação das máscaras, conta um pouco da história do papangu, as várias versões sobre sua origem, e como o personagem aparece atualmente no carnaval. As fotos mostram como era o papangu antigo, quando somente se usava tecido simples para cobrir todo o corpo e garantir o anonimato, e mostram também cada etapa de produção das máscaras hoje em dia — conta Túlio Lourenço, antropólogo do CNFCP e curador da mostra.