Motoboy que chamou amigos para ajudar na obra e foi ignorado já arrecadou mais de R$ 20 mil com vaquinha

Cíntia Cruz
·3 minuto de leitura
William planejava concluir a casa só em 2022, mas a vaquinha vai adiantar o fim da construção

INFOCHPDPICT000090248698

William planejava concluir a casa só em 2022, mas a vaquinha vai adiantar o fim da construção

Quando começou a obra no terreno que comprou no bairro Shangrilá, em Belford Roxo, Baixada Fluminense, há dois anos, o motoboy William Ramos Navarro, de 30, esperava concluir a casa de três quartos só em 2022. Trabalhando 60 horas por semana, ele aproveitava a pausa para o almoço e os domingos para se dedicar à construção. Mas desde o último dia 25, esse prazo ficou muito menor. Após uma postagem que viralizou nas redes sociais e comoveu muita gente, uma vaquinha virtual foi criada para William concretizar seu sonho. E, até o último sábado, cerca de R$ 22 mil já haviam sido arrecadados. A meta é alcançar R$ 70 mil.

Desde o início, William tem feito tudo com a orientação de um pedreiro. Ele paga pelos serviços mais técnicos e, seguindo as orientações do profissional, realiza sozinho algumas partes da obra. Cada avanço da construção vai para seu status, no WhatsApp. Na semana passada, alguns amigos se ofereceram para ajudar. Mas, no dia, deram um “bolo” no motoboy.

— Os amigos sempre pediam para eu chamar. Até que perguntei no meu status quem podia me ajudar a encher as seis sapatas de concreto no domingo (no último dia 25). É um serviço muito pesado, tem que virar o concreto e carregar — conta William, que marcou às 7h com os voluntários

No dia marcado, William acordou às 6h, gastou R$ 40 na padaria com um café da manhã, segundo ele, “maneiro”, mas nenhum dos oito amigos apareceu para o serviço.

— Deu 7h, 8h, 9h e nada... Eu decidi fazer sozinho. Antes, postei no Facebook e depois deixei o celular de lado. Estava muito chateado — conta o motoboy, que acabou viralizando com o desabafo.

Em minutos, muitas mensagens começaram a chegar. A postagem de William tinha, até sábado, cerca de 90 mil curtidas e mais de 110 mil compartilhamentos. Enquanto milhares de mensagens chegavam no celular dele, na manhã de domingo, o primeiro apoio presencial foi do aposentado José Carlos, de 70 anos. O senhor estava voltando da igreja quando viu William sozinho trabalhando na obra:

— Eu tinha que fazer alguma coisa. Foi o tempo de ir em casa, trocar de roupa e voltar para ajudar.

Mensagens de outros estados e internacionais

O sucesso da postagem de William na rede social foi o que motivou a criação da vaquinha virtual (https://voaa.me/william-moradia) para a obra da sua casa. O motoboy tem recebido centenas de mensagens de outros estados e até de fora do Brasil com ofertas de ajuda.

— Veio um motoboy de Cabuçu até o terreno para me ajudar. Por mensagens, tem gente de Juazeiro (Bahia) e até da Argentina que também quer contribuir. Já me ofereceram sacos de cimentos — conta William.

O terreno de 30m por 13m foi comprado pelo motoboy há três anos, no valor de R$ 10 mil, dívida que ele pagou por um ano. Após quitar o terreno, começou a obra no ano seguinte, dando continuidade ao sonho. William conta que pretende casar e se mudar com a namorada e futura esposa para o imóvel. Cada centavo é valioso para o motoboy, que construiu sozinho 500 blocos de concreto e economizou, em três semanas, R$ 1,5 mil.