Motociclistas desrespeitam passarela para pedestres na Barra e põem transeuntes em risco

A passarela Kleber Machado, na Barra, deveria ser apenas para pedestres, mas a cena de motociclistas transitando de um lado para o outro é recorrente ao longo dos dias e tem sido motivo de estresse para os transeuntes. Eles dizem se sentir inseguros ao dividir espaço com as motos e pedem ao poder público a instalação de obstáculos que impeçam a circulação delas. A passagem corta o Canal de Marapendi, ligando a Rua Eduardo Andrews, paralela à Avenida Armando Lombardi, à lateral do Shopping Downtown, na Avenida Professor Mário Veiga de Almeida.

Memórias de uma viajante: Moradora da Barra escreve poemas inspirados em lugares que visitou

Carreira no esporte: A cerca de um mês da Copa do Mundo, jovens contam como fazem do futebol seu projeto de vida

O advogado Rogério Zouein reclama da falta de uma placa que comunique a proibição de circular motos no local.

— Presenciei uma cena triste na semana passada: tinha um casal atravessando, com uma mulher grávida, quando veio uma moto em alta velocidade e quase a atropelou. Ela deu um grito, caiu de lado, e o marido segurou. Logo em seguida, veio outra, do lado oposto, e a mulher ficou desnorteada; parecia que estava sendo metralhada dos dois lados. Ela quase chorou; foi um constrangimento. Não se machucou, mas é algo perigoso, que assusta. Há uns seis meses, testemunhei um caso parecido com um idoso, que levou um susto e gritou com o motoqueiro. Isso tem acontecido de forma recorrente, porque não tem aquele ferro para impedir a moto de passar — relata Zouein.

Recepcionista no Downtown, Vilma Janes, que costuma passar pela área no início da tarde e à noite, conta que sempre se depara com motos no caminho:

— Eu acho um abuso, porque isso aqui é para pedestre. A moto tem que andar na via. Quando eu vejo, sempre reclamo. Outro dia, um rapaz com a moto veio buzinando atrás de mim, então eu falei: “Olha, isso aqui não é lugar para você passar. Se tiver que passar que seja, pelo menos, empurrando!”. É durante o dia todo. A gente reclama, e eles acham ruim. Já pensou que absurdo?

Todos querem conforto: Busca por mais qualidade de vida em casa faz venda de imóveis na Barra crescer 90% na pandemia

Funcionária de uma loja de aluguel de roupas no centro comercial, Vanessa Rodrigues usa a passarela três vezes por semana e sabe que precisa ficar atenta.

— Sempre tem moto passando de um lado para o outro — comenta. — É ruim; dá um pouco de insegurança dividir espaço com as motos. Normalmente, eles passam direto, sem frear. Os pedestres têm que ficar espertos.

Aos 60: Professor se torna mestre de krav magá, arte de defesa pessoal criada em Israel

Em resposta, a Guarda Municipal informa que enviou a denúncia para a Subdiretoria Técnica de Trânsito, que vai verificá-la e reforçar a fiscalização para coibir irregularidades. Em relação à instalação de barreiras, o órgão afirma não ser possível, já que elas acabam impedindo também a circulação de cadeirantes e carrinhos de bebê. Lembra ainda que o trânsito de veículos em passarelas é infração gravíssima.

SIGA O GLOBO BAIRROS NO TWITTER (OGLOBO_BAIRROS)