Motorista de app é indiciado após negar corrida a menina com deficiência

Motorista de app, que estaria visivelmente embriagado, teria dito que não era
Motorista de app, que estaria visivelmente embriagado, teria dito que não era "obrigado a levar esse troço”, se referindo à menina com deficiência. (Foto: Getty Images)
  • Motorista de app estaria embriagado e se recusou a levar adolescente com deficiência;

  • Mãe pediu a viagem para levar a menina a consultas médicas;

  • Indiciado por crime de discriminação, homem pode ficar preso por até três anos.

Um motorista por aplicativo foi indiciado, nesta segunda-feira (21), por crime de discriminação de pessoa com deficiência.

O homem de 57 anos se recusou a levar uma menina de 13 anos, que tem transtorno opositor desafiador. Na ocasião, ocorrida em fevereiro de 2021, ele teria dito ‘não ser obrigado a levar esse troço’, em referência a adolescente.

A menina estava acompanhada da mãe. As duas saiam de casa para duas consultas médicas marcadas para a jovem. Após o episódio, a mulher procurou a delegacia para prestar queixa.

Segundo informações da Polícia Civil, divulgadas pelo portal G1, as duas esperavam o veículo solicitado na frente do condomínio onde residem. Quando o motorista chegou, a menina entrou no carro, mas o condutor se recusou a realizar a corrida.

O caso aconteceu no Mato Grosso do Sul. Em vídeo de segurança, é possível ver o momento em que o veículo chega, a menina entra no carro, mas deixa o veículo na sequência.

Segundo o delegado responsável pelo caso, Felipe Alvarez Madeira, o comportamento do homem corrobora com as afirmações das vítimas “de que estaria em visível estado de embriaguez”.

De acordo com a autoridade, o homem não chegou a ser preso e vai responder pelo crime previsto no artigo 88 da Lei 13.146, que trata a respeito da prática de discriminação de pessoa em razão da deficiência da mesma. A lei prevê prisão de um a três anos e multa.