Mototaxista e passageiro foram mortos por PM, afirmam testemunhas

·1 minuto de leitura
Foto: Reprodução
Foto: Reprodução
  • Caso ocorreu na última terça-feira (18).

  • Moradores filmaram quando um PM arrastou um corpo ferido até uma viatura.

  • Esposa e conhecidos afirmam que mototaxista não tinha envolvimento com crime.

Um mototaxista e seu passageiro foram assassinados ontem (18) na Cidade de Deus, zona Oeste do Rio de Janeiro. Testemunhas e moradores do bairro afirmam que eles foram mortos por policiais militares em uma abordagem. A Corregedoria da instituição afirma que irá investigar o caso.

Uma das testemunhas filmou os policiais arrastando os feridos para uma viatura. Eles foram levados para o Hospital Cardoso Fontes, mas chegaram ao local mortos.

Os moradores relatam que as vítimas foram abordadas em um viaduto de acesso à Linha Amarela e receberam tiros à queima-roupa. O mototaxista foi era Edvaldo Viana, de 42 anos. O segundo morto ainda não foi identificado.

Leia também

A esposa de Edvaldo, Miriam dos Santos, deu depoimento afirmando que ele não estava envolvido com atividades criminosas.

“Ele era trabalhador, trabalhava de mototáxi junto com esses meninos, na Tirol. Ele não é bandido, não é traficante, ele é trabalhador, gente”, disse.

Nas redes sociais, pessoas se manifestaram em defesa de Edvaldo e afirmaram que ele era inocente e não estava ligado ao tráfico de drogas.

O assassinato incentivou uma manifestação na Cidade de Deus. Moradores fecharam o acesso a algumas ruas, que já foram liberadas.

A Polícia Militar informou que os agentes envolvidos no caso prestaram depoimento e a perícia apreendeu um fuzil. Os policiais afirmaram que atiraram em reação a um dos homens, que parecia que iria sacar uma arma.

A Comissão de Direitos Humanos da OAB-RJ anunciou que dará suporte às famílias e irão ao Instituto Médico Legal (IML. Nadine Borges, vice-presidente da comissão, vê necessidade de averiguação imediata, pois pode haver interferência na cena do crime.