Mourão afirma que assassinato de petista 'não é preocupante' e não vê conotação política

O vice-presidente Hamilton Mourão afirmou que o assassinato de um petista em Foz do Iguaçu "não é preocupante" e disse que não tem elementos para classificar o caso como um ato político. Para Mourão, eventos como esse ocorrem "todo final de semana nas nossas cidades".

— Evento lamentável. Ocorre todo final de semana em todas as cidades do Brasil, de gente que provavelmente bebe e aí extravasa as coisas. Todas da área policial ali, um era guarda municipal, o outro era agente penal. Vejo de uma forma lamentável isso daí — disse Mourão, ao chegar no Palácio do Planalto.

O guarda municipal Marcelo Arruda foi morto na noite de sábado pelo agente penal agente penal José da Rocha Guaranho, apoiador do presidente Jair Bolsonaro. Arruda comemorava seu aniversário em uma festa com a temática do PT.

Questionado se o caso não traz preocupação, o vice-presidente irritou-se e negou:

— Não é preocupante. Não queira fazer exploração política disso daí. Vou repetir o que eu estou dizendo, e nós vamos fechar esse caixão. Para mim é um evento desses lamentáveis que ocorrem todo final de semana nas nossas cidades, de gente que briga e termina indo para o caminho de um matar o outro.

Mourão também disse que não pode fazer uma ligação do assassinato com a campanha eleitoral:

— Não vou elencar dessa forma. Não tenho elemento para elencar dessa forma.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos