Mourão: assassinato no supermercado não foi raciscmo, porque não existe racismo no Brasil

Daniel Gullino
·1 minuto de leitura
Foto: Bruno Batista/Vice-Presidência
Foto: Bruno Batista/Vice-Presidência

O vice-presidente Hamilton Mourão classificou como "lamentável" a morte de João Alberto Silveira Freitas, um homem negro de 40 anos, foi brutalmente espancado até a morte por dois seguranças brancos em um supermercado em Porto Alegre. Mourão, contudo, disse não ver racismo no caso, porque, de acordo com ele, não há racismo no Brasil.

Inicialmente, Mourão afirmou que a equipe de segurança do local estava "totalmente despreparada":

— Lamentável. A princípio, a segurança (estava) totalmente despreparada para a atividade que tem que fazer — disse o vice-presidente, ao chegar no Palácio do Planalto no início da tarde desta sexta-feira.

Questionado se via racismo no caso, respondeu que isso é algo que tentam "importar" para o Brasil:

— Não. Para mim, no Brasil não existe racismo. Isso é uma coisa que querem importar aqui para o Brasil, não existe aqui.

Em seguida, reforçou que não vê racismo no Brasil e fez uma comparação com os Estados Unidos.

— Eu digo para você com toda tranquilidade: não tem racismo.Eu digo isso para vocês porque eu morei nos Estados Unidos. Racismo tem lá. Eu morei dois anos nos Estados Unidos. Na minha escola, que eu morei lá, o pessoal de cor, ele andava separado. Eu nunca tinha visto isso aqui no Brasil.