Mourão diz que Bolsonaro reconheceu vitória de Lula ao agradecer votos

*ARQUIVO* BRASILIA, DF,  BRASIL,  23-05-2022, 09h00. O vice presidente Hamilton Mourão concede entrevista coletiva no Palácio do Itamaraty (Foto: Gabriela Biló /Folhapress)
*ARQUIVO* BRASILIA, DF, BRASIL, 23-05-2022, 09h00. O vice presidente Hamilton Mourão concede entrevista coletiva no Palácio do Itamaraty (Foto: Gabriela Biló /Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O vice-presidente e senador eleito Hamilton Mourão (Republicanos) disse, nesta terça-feira (1), que Jair Bolsonaro (PL) reconheceu a vitória do seu adversário petista, Luiz Inácio Lula da Silva, ao agradecer os votos que teve.

Mourão classificou como "excelente" o pronunciamento do chefe do Executivo, que só falou por cerca de 2 minutos no Palácio do Alvorada, após 45 horas de silêncio.

"Implicitamente, quando ele [Bolsonaro] agradece os votos, ele reconhece a vitória", disse no Palácio do Planalto. Questionado se acha que o mandatário deveria parabenizar Lula, o senador eleito diz ser "questão de foro íntimo".

Mourão não foi convidado para acompanhar o pronunciamento do presidente, ao qual acompanhou quase todo o primeiro escalão do Executivo federal.

Bolsonaro, em sua fala, condenou bloqueios nas estradas por aliados e falou em indignação e injustiça com a eleição na qual foi derrotado pelo petista Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

O chefe do Executivo não citou Lula em nenhum momento nem fez um reconhecimento claro sobre a derrota no último domingo (30). Mas, após a sua declaração, o ministro-chefe da Casa Civil, Ciro Nogueira, disse que será responsável pelo processo de transição.

O vice-presidente foi questionado por jornalistas se caberá a ele passar a faixa a Lula, uma vez que Bolsonaro sequer menciona sua derrota. "Calma, faltam dois meses", disse.

Mourão disse ter "quase certeza" que o presidente passará a faixa em 1º de janeiro, ao relembrar um trecho de seu discurso em que prometeu cumprir todos os mandamentos da Constituição, enquanto presidente e cidadão.

O vice-presidente também classificou a conversa que teve com o vice eleito, Geraldo Alckmin (PSB), como institucional. Ele foi o primeiro integrante dessa gestão a falar com a próxima.

Depois, a presidente do PT, Gleisi Hoffmann, ligou para o ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira, para dar início às tratativas da transição.

"Fiz uma comunicação institucional do atual vice-presidente para o futuro, dizendo que estamos em condições de apresentar a estrutura e os trabalhos em andamento, assim como minha esposa está em condições de mostrar o palácio para a esposa dele. Algo institucional", disse.

Depois, minimizou a conversa. "Marcou nada não, o cara tá cheio de pepino, rapaz. Vocês estão sem notícia".

Mourão também fez coro à declaração do presidente, mais cedo, sobre os diversos protestos de seus apoiadores fecharem rodovias pelo país entre segunda e terça-feira. "Quer manifestar, bota faixa na rua, faz as coisas dessa forma", disse, ressaltando que obstruções em rodovias é uma forma de protestar da esquerda.

O STF (Supremo Tribunal Federal) teve que tomar uma decisão para determinar a liberação das estradas.

O presidente disse que manifestações pacíficas são bem-vindas, mas que os métodos "não podem ser os da esquerda", e condenou o cerceamento do direito de ir e vir.

"As manifestações pacíficas sempre serão bem-vindas. Mas os nossos métodos não podem ser os da esquerda que sempre prejudicaram a população, como invasão de propriedades, destruição de patrimônio e cerceamento do direito de ir e vir."

"A direita surgiu de verdade em nosso país. Nossa robusta representação no Congresso mostra a força dos nossos valores: Deus, pátria, família e liberdade."